As oleaginosas são sementes ricas de óleo, envolvidas por uma casca rígida e que podem ser consumidas in natura. O alto teor de gordura boa desses produtos confere energia e, como também são fontes de vitaminas e minerais, colaboram para o bom funcionamento do organismo. Entenda os benefícios de algumas dessas sementes:

 

  • Nozes: Por ser fonte de ômega 3, essa é uma oleaginosa protetora do cérebro. As nozes evitam que os radicais livres ataquem os neurônios, previnem o envelhecimento cerebral, o que reduz o risco de doenças como o Alzheimer e o Parkinson, além de melhorar a memória. Entre as oleaginosas é a que possui maior teor de vitamina E, o que é importante para proteger os vasos sanguíneos e controlar a pressão arterial. Consumo: não deve passar de 4 unidades diárias

 

  • Amêndoas: Esse é um tipo de oleaginosa com baixo teor glicêmico, o que faz dela uma boa opção para quem possui uma dieta que restringe o número de calorias a serem consumidas diariamente. Além disso, as amêndoas são fonte de antioxidantes, de gorduras monoinsaturadas, das vitaminas B1 e E, e de minerais. Por isso, é um alimento que protege o coração de doenças cardiovasculares. Consumo: não deve passar de 4 unidades diárias.

 

  • Macadâmia: É a que possui maior teor de gordura e menor concentração de proteínas e carboidratos. Por isso, ela é uma das melhores opções para inserir em dietas com baixo consumo de proteínas e carboidratos. Seus minerais e vitaminas colaboram para reduzir o risco de doenças como a síndrome metabólica, hipertensão e diabetes. A macadâmia também contém ômega 7, que ajuda a controlar a queima de gordura e a reduzir o apetite. Consumo: não deve passar de 4 unidades diárias.

 

  • Avelã: Essa é a principal oleaginosa para reduzir o colesterol ruim (LDL) e elevar os níveis do colesterol bom (HDL). Consumo: Dez unidades diárias já são suficientes para obter todos os benefícios desta semente.

 

  • Castanha do Pará: essa é a maior fonte de selênio conhecida. Esse é um importante mineral que atua na inativação dos radicais livres, ativa os hormônios da tireoide, contribui para a desintoxicação do organismo e fortalece o sistema imunológico. Consumo: no máximo 2 unidades por dia.

 

  • Castanha de Caju: Por conter zinco em sua composição, esse tipo de castanha é fundamental para prevenir casos de anemia. As gorduras poli-insaturadas dessa oleaginosa reduzem os níveis de LDL e elevam as taxas de HDL. Ela ainda conta com um aminoácido chamado arginina, que melhora desempenho durante a prática de atividades físicas e a capacidade de recuperação no pós-treino. Consumo: consumir uma porção de 1 colher de sopa no dia

 

Como consumir as oleaginosas?

 

A melhor forma de inserir essas frutas é in natura, sem aquecer. Isso porque ao serem aquecidas elas tendem a oxidar e a ficar rançosas. Você pode optar por consumir um mix delas ou ainda um tipo por dia. No entanto, é sempre importante ficar atento à quantidade diária recomendada, para que o consumo não cause reações e prejuízos à saúde.

 

Como o consumo excessivo de castanhas pode prejudicar a saúde?

 

Pelo fato de as oleaginosas serem ricas em gorduras, o consumo em excesso pode resultar em ganho de peso. O indicado é não ingerir acima da quantidade indicada diariamente para cada tipo. Em casos de dúvidas, o recomendado é sempre consultar o médico ou nutricionista, para que ele estabeleça o quanto e de que maneira esses e outros alimentos devem ser inseridos no cardápio.

 

 

 

 

A Neuropediatria é o ramo da neurologia que se dedica ao estudo das doenças do desenvolvimento e maturação do sistema nervoso. Devido às características do desenvolvimento infantil, possui importância no controle de doenças com comprometimento neurológico. A atuação dos profissionais nesta especialidade engloba além do tratamento, o acompanhamento e prevenção de uma série de problemas que possam comprometer o bom desenvolvimento físico, mental e emocional das crianças. Atua a partir dos anos iniciais do desenvolvimento, desde o período neonatal; possibilitando atenção especial em casos de Epilepsia, Paralisia cerebral, dores de cabeça e junto a crianças portadoras de Deficiência Intelectual, Transtorno do Espectro Autista, ou com distúrbios de aprendizagem e Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade.

 

Especialidade: Neurologia Neonatal

 

Acompanhar o desenvolvimento neuropsicomotor é uma das principais atribuições do neurologista pediátrico, pois é na evolução do desenvolvimento que se observam os aspectos de saúde e doença importantes para o futuro das crianças. Neste sentido, as intervenções que possam ser realizadas de maneira precoce são as mais eficazes.

plasticidade cerebral, que é a capacidade do cérebro de aprender e adaptar-se às mais variadas situações, está mais ativa nos primeiros três anos de vida da criança. Sabe-se que desta fase da vida dependem, portanto, muitas das características da futura personalidade, da cognição, da memória e do aprendizado. Tudo que acontece neste período pode deixar marcas – boas ou ruins – que acompanharão o indivíduo para o restante de sua vida.

Em especial no período neonatal, que compreende o primeiro mês de vida da criança, os bons ou maus estímulos podem influenciar todo o seu desenvolvimento futuro.

 

 

A insônia é um distúrbio persistente que prejudica a capacidade de uma pessoa adormecer ou, ainda, de permanecer dormindo durante toda a noite. Pessoas com insônia geralmente começam o dia já se sentindo cansadas, têm problemas de humor e falta de energia e têm o desempenho no trabalho ou nos estudos prejudicado por causa deste distúrbio. A qualidade de vida da pessoa, em geral, costuma ficar comprometida pela insônia. Algumas pessoas têm insônia crônica, que pode perdurar por um período de tempo muito maior do que o normal.

 

Causas

  • Estresse
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Condições médicas
  • Mudança no ambiente ou horário de trabalho
  • Maus hábitos de sono
  • Medicações
  • Cafeína, nicotina e álcool
  • Comer muito tarde
  • Idade

 

Fatores de risco

Muitas pessoas podem apresentar um quadro de insônia ocasionalmente. Mas o risco de insônia é maior em:

 

  • Pessoas do sexo feminino. As mulheres são muito mais propensas a sofrer de insônia, principalmente por causa de mudanças hormonais durante o ciclo menstrual e na menopausa. A insônia também é comum com a gravidez.
  • Pessoas acima dos 60 anos de idade, devido principalmente às alterações nos padrões de sono e a problemas de saúde.
  • Pessoas com algum distúrbio de saúde mental, como depressão, ansiedade, transtorno bipolar e o transtorno de estresse pós-traumático são mais propensas a apresentar insônia.
  • Pessoas sob estresse. Fatos estressantes podem causar insônia temporária
  • Trabalhar à noite ou viajar a trabalho, que envolva trocas frequentes de fuso horário.

 

Sintomas de Insônia

Os principais sintomas de insônia podem incluir:

  • Dificuldade para adormecer à noite
  • Despertar durante a noite
  • Despertar muito cedo
  • Não se sentir descansado após uma noite de sono
  • Cansaço ou sonolência diurna
  • Irritabilidade, depressão ou ansiedade
  • Dificuldade para prestar atenção, concentrar-se em tarefas ou se lembrar de alguma coisa importante
  • Aumento do risco de acidentes
  • Dores de cabeça localizadas
  • Problemas gastrointestinais
  • Preocupações contínuas com o sono
  • Na consulta médica

 

Entre as especialidades que podem diagnosticar insônia estão:

  • Clínica médica
  • Neurologista
  • Medicina do sono
  • Psiquiatria

 

Prevenção

Manter bons hábitos de sono é o principal e único meio de se evitar insônia. Alguns fatores desencadeadores do distúrbio, como eventos estressantes e traumáticos, no entanto, não podem ser evitados. Em todo caso, consulte um especialista do sono e um psiquiatra para aprender a lidar com a manutenção do sono.

 

 

 

No frio, à medida que o ar fica seco e frio, ele torna-se carregado com partículas de poeira e poluição e o nosso sistema respiratório precisa trabalhar mais. Com o inverno nos mantemos mais dentro de casa e o maior contato com germes é a receita perfeita para um resfriado. As pessoas se concentram mais em locais fechados, o que facilita a propagação de vírus e bactérias que causam inúmeras doenças. O pneumologista Ciro Kirchenchtejn esclarece várias questões sobre as doenças mais comuns no inverno, como gripe, resfriado, amidalite, asma, otite, bronquite, pneumonia, rinite, sinusite e alergias.

 

Gripe – é causada pelo vírus influenza e, além dos sintomas do resfriado, causa febre alta e abrupta, dores no corpo e fadiga. Pode provocar complicações se não for diagnosticada e tratada corretamente. O tratamento é feito com analgésicos, antitérmicos, repouso e hidratação.

  • Evitando: vacinando contra a gripe, especialmente se você se enquadra em um "grupo de risco", que inclui idosos, mulheres grávidas e pessoas com doenças crônicas. Embora a vacina não proteja contra todos os tipos de vírus, ela pode reduzir o risco de contrair a gripe, lavar bem as mãos e o nariz, evitar aglomerações.

 

Resfriado – gripes e resfriados têm sintomas semelhantes, embora sejam doenças diferentes. O resfriado geralmente dura de quatro a cinco dias, mas pode se prolongar por até duas semanas, causando coriza, obstrução das vias respiratórias, febre baixa, espirros e dor de garganta. O tratamento alivia os sintomas e é feito com analgésicos e antitérmicos.

  • Evitando: a melhor maneira de evitar qualquer infecção é lavar as mãos regularmente, desinfetar as superfícies mais comumente tocadas, manter a boa saúde com boa alimentação, atividade física regular e sono adequado.

 

Amidalite – causada por vírus ou bactérias, é uma inflamação das amídalas que causa dor de garganta e ao engolir, mau hálito e febre. O tratamento é feito com anti-inflamatórios.

  • Evitando: Além de um estilo de vida mais saudável, se aconselha que as pessoas cuidem da higiene pessoal, lavando bem as mãos e cobrindo a boca com lenço ou com a dobra do braço ao tossir. Também é importante evitar contato com alguém que esteja em crise.

 

Asma – inflamação dos pulmões e vias aéreas. Mais comum em crianças, embora também acometa adultos. Os sintomas são chiados no peito, tosse e sensação de falta de ar. O tratamento é feito com broncodilatador e deve-se eliminar a poeira doméstica para a prevenção da doença.

  • Evitando: fique longe de fumantes e pessoas com resfriados, coma muita fruta e vegetais frescos, tenha uma atividade física regular e use medicamentos antialérgicos recomendados por um médico.

 

Otite – causada por vírus ou bactérias que infectam a garganta e migram até o ouvido provocando dor e febre, é bastante comum em crianças. O tratamento é feito com antibióticos e analgésicos.

  • Evitando: não deixe que os sintomas da congestão nasal se estendam por um longo tempo. Proteja os seus ouvidos contra o vento frio, com lenços chapéus e casacos para prevenir infecções de ouvido

 

Bronquite – inflamação dos brônquios, o que impede a chegada do ar aos pulmões. Causa tosse seca com chiado seguida de tosse com catarro. O tratamento: utilização de vaporizadores, analgésicos, descongestionantes nasais e hidratação.

  • Evitando: para prevenir-se da doença, o cigarro deve ser evitado.

 

Pneumonia – infecção aguda dos pulmões que pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos. Pode surgir após uma gripe ou crise de bronquite severas. O tratamento é feito com antibióticos.

  • Evitando: tome a vacina contra a gripe, pois esta é a causa comum da pneumonia. A vacina pode ajudar na proteção. Fique longe de amigos ou familiares que estão doentes e evite fumaça de cigarro.

 

Rinite – causada por irritação ou inflamação da mucosa do nariz, é uma das doenças alérgicas mais comuns. Causa espirros, coriza, coceira e entupimento do nariz. O tratamento é feito com medicamentos e vacinas antialérgicas.

  • Evitando: é aconselhável manter o ambiente limpo.

 

Sinusite – é a inflamação dos seios nasais, que são cavidades no crânio em torno do nariz. Provocada por alergias ou infecções por vírus ou bactérias, causa dor de cabeça, pálpebras inchadas, nariz entupido, secreção nasal e dor nos olhos. O tratamento pode ser feito com corticoides, descongestionantes e antibióticos no caso de infecção bacteriana.

  • Evitando: comer frutas e vegetais embalados com antioxidante em abundância, evitar o fumo e os poluentes, beber muitos líquidos e considerar o uso de um umidificador.

​​​​​​​

Alergias – são causadas por reações do organismo a diversos elementos, como pelos de animas, mofo, poeira, perfumes etc. Causam inúmeros sintomas, como espirro, coceira e tosse. O tratamento é específico para cada caso.

  • Evitando: prevenção pode ser feita mantendo os ambientes ventilados, limpos e evitando o contato com substâncias que podem desencadear alergia.

 

Importante não se automedicar, procure um especialista e mantenha suas vacinas em dia. Sua saúde vale Ouro. 

 

 

Terapia refere-se ao tratamento de problemas psicológicos, emocionais e comportamentais. Através de técnicas verbais e não verbais, o Psicólogo ajuda o paciente a refletir sobre suas questões e a encontrar formas diferentes e criativas de aliviar o seu incômodo e melhorar seu relacionamento consigo mesmo e com os outros. Geralmente, o foco também chamada de Psicoterapia é em mudar pensamentos, emoções e comportamentos ineficientes. Apesar se ser reconhecido como um tratamento eficaz, porque tantos veem como algo luxuoso ou só para quem tem problemas sérios?
 

Para alguns especialistas entrevistado pelo UOL, a base dos preconceitos está na separação entre a saúde mental e a física. E os problemas psíquicos acabam sendo deixados para segundo plano. Tanto que, quando falamos em dor, a primeira coisa que vem à cabeça é na física e não na sentimental. Mas os problemas sentimentais são tão importantes quanto os físicos e quando se acumulam, podem ficar mais sérios, como depressão, ansiedade e, em casos graves, suicídio.

 

É preciso entender que o tratamento psicológico é um processo gradativo, porém, bastante recompensador. Mais ainda, o consultório do psicólogo é um local em que o paciente pode se abrir, desabafar e ser ele mesmo.


O mais importante é que o paciente esteja disposto a fazer Psicoterapia e que isto não seja algo imposto por alguém, já que o seu sucesso depende muito da sua vontade e do seu comprometimento com o processo. Além de, é claro, contratar um profissional sério e responsável e que o faça se sentir acolhido e compreendido.

 

Por fim, sua saúde mental vale muito. Cuide dela!

ANTERIOR
1 de 14
PRÓXIMO