Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) os índices de vacinações no Brasil atingiram o menor patamar nos últimos 24 anos, justificado pela despreocupação com as doenças da população, comprometendo e preocupando o Programa Nacional de Imunizações (PNI).
A vacina é a principal estratégia para reduzir a exposição aos agentes infecciosos ou mesmo para reduzir a gravidade de uma doença inicial, fugindo de uma escolha pessoal e pensando em seu coletivo, tornando-se pauta de saúde pública.

Afinal, qual a composição de uma vacina? E como irá atuar?
As vacinas são produzidas com microrganismos do agente infeccioso, com uma porcentagem enfraquecida ou praticamente inativa sendo introduzidas no ser humano, gerando uma reação ao nosso sistema de defesa Imunológica um pouco mais lenta.
Ou seja, dessa forma ao segundo contato com a doença o sistema Imune terá uma memória do agente, produzindo um combate mais rápido e eficaz comparado ao contato anterior com o microrganismo, excluindo possibilidade de uma patologia grave.

As vacinas são seguras?
São consideradas totalmente seguras, pois antes mesmo de chegarem até a população as vacinas passarão por diversos anos de estudos e testes, envolvendo avaliações rígidas e rigorosas pela Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA) desenvolvendo relatórios indicando os benefícios e os possíveis malefícios da introdução de determinada vacina.

Vacinas indicadas para cada fase da vida:
O ministério da Saúde possui um calendário de vacinação, onde contempla recém-nascidos, crianças, adolescentes, adultos e idosos.
Essas vacinas devem ser seguidas corretamente, para que não haja a possibilidade de uma contaminação no futuro, além da importância para a população no todo.

O que é preciso para vacinar-se:
Toda a população Brasileira tem direito garantido de vacinar-se, além de ser gratuito basta comparecer a um posto de saúde próximo de sua casa com o cartão de vacinação, para que dessa forma seja verificada a necessidade da inserção da vacina.

Quais as consequências de não me vacinar?
Dificilmente a vacinação irá atingir 100% da população, mas quanto maior for o número de pessoas vacinadas, maior será a proteção, até mesmo aos não vacinados, porém continuarão totalmente expostos.
Além de ser prejudicial aqueles que não utilizam esse meio de prevenção, as pessoas tornam-se suscetíveis, pois os agentes locomovem-se e multiplicam-se com mais facilidade, afetando diretamente em pessoas que não podem por algum motivo usufruir da vacina, seja por alguma contraindicação ou por não fazer parte do grupo de risco.
Atente-se ao seu calendário de vacinas e contribua para uma saúde coletiva de qualidade. 
 

 

Especialistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmam que cerca de 80% da população brasileira irão sofrer de alguma forma com dores na coluna, sejam elas diariamente ou conforme alguns hábitos praticados despercebidos, dessa forma são de extrema importância agendar uma avaliação com o médico mais indicado para esse tipo de problema, para que você conheça a causa e o quanto está afetando internamente e externamente em sua vida.

 

Confira os hábitos mais prejudiciais à sua coluna:

 

1. Permanecer por muitas horas na mesma posição:

Geralmente passamos horas na mesma posição durante o dia, seja em pé ou sentado trabalhando, ocasionando uma circulação distribuída de forma  debilitada a todo o corpo.


Dica:

Estar atento é essencial para que realize uma pausa ao menos a cada 1 hora, podendo ser um rápido alongamento para aliviar a tensão entre os  músculos, implicando em uma melhoria na postura.

 

2. Utilizar bolsas pesadas:

Normalmente as pessoas utilizam bolsas ou mochilas consideravelmente pesadas, o problema esta na forma em que utilizará, colocando todo o peso em apenas um ombro, sobrecarregando apenas um lado de seu corpo, provocando alterações significantes na coluna e em sua qualidade de vida.

 

Dica:

Certifique a necessidade de todo o peso carregado para que o exagero não te prejudique, logo após verifique e sempre opte por uma mochila que distribua de forma igualitária o peso em seu ombro, caso seja uma bolsa, revezar o peso entre os dois ombros é a sua única opção.

 

3. Posição incorreta durante o sono:

Dormir de forma incorreta durante toda a noite pode acarretar logo pela manhã em desconfortos repentinos, além do cansaço, com isso confira a dica a seguir:

 

Dica:

O primeiro ponto importante é verificar se o colchão está ideal, devendo manter a curvatura natural de sua coluna. Logo após, avalie sua postura, segundo os médicos a posição aconselhada é deitar-se de lado ou de barriga para baixo, mantendo sempre que possível, a cabeça, a coluna e o pescoço de forma alinhada.

 

4. Levantar peso:

Durante certas situações do dia a dia é inevitável não carregar peso, com isso é comum nos esquecermos de que há algumas regras básicas para evitar uma possível dor ao longo do dia.

 

Dica:

Deve-se: Dobrar os joelhos e abaixar-se com a coluna reta, pois o que irá ocasionar um desconforto será ao dobrar a coluna, além de provocar dor, trará problemas no futuro.

 

Dicas para uma boa postura:

  • É importante adquirir o hábito da prática de exercícios regularmente.
  • Reconhecer a necessidade de algumas mudanças ao longo do dia.
  • Atentar-se aos frequentes desconfortos.


Caso todas essas dicas já não sejam o suficiente para uma melhoria das dores apresentadas, é importante direcionar-se ao Fisioterapeuta ou mesmo a um Ortopedista, que são profissionais especializados nesses tipos de ocorrências e irão auxiliar e justamente iniciar um tratamento que trará uma qualidade novamente.

 

 

 

O que é a Sífilis?

A Sífilis é ocasionada por uma Infecção Bacteriana, sendo considerada uma DST (Doença Sexualmente Transmissível), o aumento tem preocupado especialistas, que alertam um crescimento significante na ocorrência dessa doença.

No ano de 2010 foram registrados 1249 casos de sífilis adquirida. Em 2015, esse número subiu para 65.878, um aumento de mais de 5.000%, e chegou em 87.593 casos em 2016, segundo o Ministério da Saúde.

Nos casos de sífilis congênita (transmitida da mãe para o bebê durante a gestação ou parto), o número de casos passou de 3.356 em 2016 para 4.139 casos em 2017, um aumento de 23,33%.

 

Há várias manifestações clínicas e diferentes estágio, dentre:

Estágio Primário

  • Geralmente ocasionada por feridas, sem apresentar coceira ou algum tipo de dor, porém pode estar acompanhada de ínguas na virilha, manifestando-se após 10 a 90 dias do contágio.

Estágio Secundário

  • Ocorre a cicatrização da ferida inicial, podendo aparecer manchas pelo corpo todo, sendo muitas vezes confundidas com alergias comuns, que desaparecerão sem tratamento algum. Consequentemente das manifestações, o indivíduo apresentará febre, mal-estar e dores de cabeça.

Estágio de Latência

  • Considerada uma fase assintomática, ou seja, sem sinais ou sintomas, tendo como uma única maneira de constatar a Sífilis: realizando testes Imunológicos.

Estágio Terciário

  • Fase caracterizada por lesões cutâneas, cardiovasculares, neurológicas ou ósseas, podendo ter início prolongado por anos.

 

Como é transmitida?

A Sífilis é transmitida por meio de relação sexual desprotegida com o indivíduo contaminado, ou mesmo, durante a gestação ou parto, acometendo o bebê.

 

Quais são os sintomas?

Caracterizados por dores nos músculos, acompanhados de fadigas e dores de cabeça, além dos sintomas característicos de cada fase citado acima, ou seja, logo em diante não há mais sintomas, podendo assim ocorrer anos mais tarde, acarretada de danos em nossos órgãos.

 

Como é feito o diagnóstico?

O médico irá suspeitar conforme o relato do paciente, dessa maneira solicitará exames específicos, como exemplo os Testes Rápidos para a Sífilis desenvolvidos para a confirmação ou não da doença, assemelham-se bastante com os testes de gravidez e estimam 30 minutos para o resultado preciso.

O diagnóstico pode ser realizado com a identificação da ferida inicial seguido de irritações na pele.

 

Tratamento

A sífilis é tratada com antibiótico, sendo sempre necessário consultar um médico para que aconselhe o tratamento que possua resultados rápidos e eficientes, além de individualizados.

 

Principal prevenção

Manter as relações sexuais sempre protegidas através do uso da camisinha, que irá possibilitar a prevenção de todas as DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis).

 

 


 

Hoje em dia é cada vez mais comum nos deparamos com as pessoas grudadas com os aparelhos celulares nas mãos, estejam elas nas ruas, nos restaurantes ou até mesmo no local de trabalho. Segundo uma pesquisa divulgada pelo IBGE em 2016, cerca de 77,1% da população brasileira com 10 anos ou mais já possuí seu próprio celular.

Com o crescimento do uso dos celulares, várias questões vêm sendo levantadas, inclusive se os aparelhos são capazes de prejudicar de alguma forma a nossa saúde. Estudos mostram que os brasileiros passam pelo menos 3 horas do seu dia no celular, os mais jovens chegam a passar pelo menos 4 horas.

Diante desses dados, trouxemos alguns problemas que o uso prologado dos aparelhos pode trazer para a saúde e dicas de como evitar, confira:

 

Problemas de Visão

A luz azul emitida pelos celulares, tablets, TVs e computadores podem causar danos irreversíveis à visão. Segundo especialistas, o mais comum é a síndrome do olho seco, que ocorre quando o olho produz menos lágrimas do que o normal. Isso acontece porque o uso dos aparelhos exigem um foco grande, diminuindo o número de vezes que piscamos, sendo considerado ideal em média 15 vezes por minuto, e com o esforço chega a cair para 5 vezes por minuto.

Dicas

  • Pessoas que trabalham com computador, o ideal é que esteja sempre no mesmo nível do olhar;
  • Dar pausas dos aparelhos, seja ele computador ou celular  a cada duas horas também ajudam a evitar maiores complicações;
  • Ar-condicionado também desidrata os olhos e amplia os problemas causados pela luminosidade, evite passar muito tempo combinando os dois;
  • É importante lembrar-se de ajustar as configurações de brilho do celular, deixe no automático para que o brilho se regule de acordo com a luminosidade do local.

 

Insônia

O uso do celular antes de dormir pode causar insônia e diminuir a qualidade do sono. Isso acontece devido à luz azulada que os aparelhos emitem, fazendo com que nosso cérebro permaneça por mais tempo ativo, afastando o sono.

Dicas:

  • Evitar o uso de aparelhos eletrônicos até 2 ou 3 horas antes de dormir;
  • Alguns aparelhos permitem que a luminosidade seja alterada do azul para o amarelo ou alaranjado, mas se o seu não possui esta opção, existem aplicativos que fazem isso;
  • Preferir luzes amarelas quentes ou avermelhadas para iluminar a casa durante a noite;

 

Problemas ortopédicos

Os problemas ortopédicos estão relacionados, principalmente, com a má postura dos usuários. Normalmente quando usamos o celular inclinamos o pescoço para frente e para baixo, podem surgir às dores de cabeça, nos braços e no pescoço.

Além disso, ficar horas digitando, pode causar inflamação dos músculos, gerando tendinites nas mãos. O polegar é o membro mais atingido, isso porque normalmente é o mais usado na hora de digitarmos no celular, causando um movimento repetitivo que pode levar a LER, lesão por esforço repetitivo.

Dicas

  • Tente não sobrecarregar o polegar, tente segurar o celular com uma das mãos e digitar com o indicador da outra, sempre trocando;
  • Fortifique a região das mãos fazendo movimentos rotativos com os pulsos.
  • Faça alongamento dos braços e das mãos.

 

Postura

Temos o péssimo hábito de usar os aparelhos eletrônicos com a cabeça baixa, ou seja, com o pescoço curvado, essa posição pode ocasionar dores na região.

Isso ocorre devido à carga sobre a cervical, por exemplo, num ângulo de 15 graus (cabeça mais ereta), a carga sobre a cervical é de 12 quilos; se passar a 60 graus (cabeça abaixada), chega a 27 quilos.

Quando ficamos nessa posição por tempo excessivo, sobrecarregamos a coluna e pode haver dores no pescoço por fadiga muscular.

Dicas:

  • Tente usar o celular com a cabeça ereta, levando à altura dos olhos;
  • Faça exercícios de alongamento para relaxar a tensão no pescoço;
  • Pratique atividade física regular para fortalecer a musculatura.

Lembre-se, não é preciso parar de usar os celulares e aparelhos eletrônicos, o importante é se atentar e tomar os cuidados necessários para não apresentar problemas futuros.

Cuidar dos dentes não é apenas uma questão de estética, mas também de saúde, seu hábito regular propicia uma qualidade de vida significante, dessa maneira a boca deve ser vista como a vitrine da saúde do nosso corpo.

 

O coração possui extrema importância, bombeando o sangue, distribuindo oxigênio e nutrientes para todo o organismo, dessa forma merece atenção para seu bom funcionamento, devendo adotar medidas de prevenções.

 

Afinal, qual a relação?

A saúde Bucal e as doenças cardíacas estão associadas pela disseminação de bactérias devido ao descuido com a limpeza na região Bucal, dessa forma ocorre à manifestação de germes e bactérias, espalhando-se para outras áreas do corpo através da corrente sanguínea.

Onde poderá disseminar-se?

As bactérias ou mesmo os germes se aderem ao músculo do coração, por exemplo, lesionando e causando inflamação. Ou também, poderá provocar acidentes Cardiovasculares.

 

Conheça as doenças mais graves causadas pela má higiene bucal

Gengivite

A gengivite é a inflamação da membrana Gengival, que conforme seu progresso afetam os ossos que sustentam os dentes, formada por uma placa aderente, com isso, uma pessoa que possui a Gengivite ao passar o fio dental ou mesmo na escovação pode ocorrer o sangramento, caindo bactérias em sua corrente sanguínea.

 

Sintomas

  • Vermelhidão
  • Sangramento Gengival
  • Odor desagradável
  • Inchaço

 

Endocardite Bacteriana

Decorrente da Gengivite, a Endocardite Bacteriana é uma doença que causa inflamação na membrana que reveste a parte interna do coração e as válvulas cardíacas.

No caso de má higiene bucal, pode acontecer das mais de 150 milhões de bactérias presentes na saliva caírem na corrente sanguínea, levando a endocardite.

Estima-se que cerca de 150 mil brasileiros sofram do problema anualmente.

 

Sintomas

  • Dor torácica,
  • Perda de peso repentina,
  • Sangue na urina,
  • Febre persistente,
  • Fraqueza,
  • Frequência cardíaca oscilando entre moderada e acelerada,
  • Suor noturno e tosse constante.

 

Quem corre esse risco?

Pessoas que possuírem algum tipo de doença crônica como gengivite ou mesmo aqueles que possuem uma saúde bucal precária, principalmente se ela não for devidamente diagnosticada e possivelmente tratada, irá aumentar consequentemente sua virulência e sua gravidade.

 

Quais as dicas para uma boa higienização Bucal?

  • Escovar os dentes no mínimo 3 vezes ao dia.
  • Usar fio dental diariamente.
  • Usar enxaguante Bucal com flúor, caso recomendado.
  • Uma escova adequada, com cerdas macias e a cabeça pequena para que alcance facilmente todas as áreas da boca, dentes posteriores por exemplo.

Além das dicas essenciais descritas anteriormente, é necessário uma postura Pró Ativa com exames regulares, mantendo seu sorriso saudável, limpo e bonito por toda sua vida.