No frio, à medida que o ar fica seco e frio, ele torna-se carregado com partículas de poeira e poluição e o nosso sistema respiratório precisa trabalhar mais. Com o inverno nos mantemos mais dentro de casa e o maior contato com germes é a receita perfeita para um resfriado. As pessoas se concentram mais em locais fechados, o que facilita a propagação de vírus e bactérias que causam inúmeras doenças. O pneumologista Ciro Kirchenchtejn esclarece várias questões sobre as doenças mais comuns no inverno, como gripe, resfriado, amidalite, asma, otite, bronquite, pneumonia, rinite, sinusite e alergias.

 

Gripe – é causada pelo vírus influenza e, além dos sintomas do resfriado, causa febre alta e abrupta, dores no corpo e fadiga. Pode provocar complicações se não for diagnosticada e tratada corretamente. O tratamento é feito com analgésicos, antitérmicos, repouso e hidratação.

  • Evitando: vacinando contra a gripe, especialmente se você se enquadra em um "grupo de risco", que inclui idosos, mulheres grávidas e pessoas com doenças crônicas. Embora a vacina não proteja contra todos os tipos de vírus, ela pode reduzir o risco de contrair a gripe, lavar bem as mãos e o nariz, evitar aglomerações.

 

Resfriado – gripes e resfriados têm sintomas semelhantes, embora sejam doenças diferentes. O resfriado geralmente dura de quatro a cinco dias, mas pode se prolongar por até duas semanas, causando coriza, obstrução das vias respiratórias, febre baixa, espirros e dor de garganta. O tratamento alivia os sintomas e é feito com analgésicos e antitérmicos.

  • Evitando: a melhor maneira de evitar qualquer infecção é lavar as mãos regularmente, desinfetar as superfícies mais comumente tocadas, manter a boa saúde com boa alimentação, atividade física regular e sono adequado.

 

Amidalite – causada por vírus ou bactérias, é uma inflamação das amídalas que causa dor de garganta e ao engolir, mau hálito e febre. O tratamento é feito com anti-inflamatórios.

  • Evitando: Além de um estilo de vida mais saudável, se aconselha que as pessoas cuidem da higiene pessoal, lavando bem as mãos e cobrindo a boca com lenço ou com a dobra do braço ao tossir. Também é importante evitar contato com alguém que esteja em crise.

 

Asma – inflamação dos pulmões e vias aéreas. Mais comum em crianças, embora também acometa adultos. Os sintomas são chiados no peito, tosse e sensação de falta de ar. O tratamento é feito com broncodilatador e deve-se eliminar a poeira doméstica para a prevenção da doença.

  • Evitando: fique longe de fumantes e pessoas com resfriados, coma muita fruta e vegetais frescos, tenha uma atividade física regular e use medicamentos antialérgicos recomendados por um médico.

 

Otite – causada por vírus ou bactérias que infectam a garganta e migram até o ouvido provocando dor e febre, é bastante comum em crianças. O tratamento é feito com antibióticos e analgésicos.

  • Evitando: não deixe que os sintomas da congestão nasal se estendam por um longo tempo. Proteja os seus ouvidos contra o vento frio, com lenços chapéus e casacos para prevenir infecções de ouvido

 

Bronquite – inflamação dos brônquios, o que impede a chegada do ar aos pulmões. Causa tosse seca com chiado seguida de tosse com catarro. O tratamento: utilização de vaporizadores, analgésicos, descongestionantes nasais e hidratação.

  • Evitando: para prevenir-se da doença, o cigarro deve ser evitado.

 

Pneumonia – infecção aguda dos pulmões que pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos. Pode surgir após uma gripe ou crise de bronquite severas. O tratamento é feito com antibióticos.

  • Evitando: tome a vacina contra a gripe, pois esta é a causa comum da pneumonia. A vacina pode ajudar na proteção. Fique longe de amigos ou familiares que estão doentes e evite fumaça de cigarro.

 

Rinite – causada por irritação ou inflamação da mucosa do nariz, é uma das doenças alérgicas mais comuns. Causa espirros, coriza, coceira e entupimento do nariz. O tratamento é feito com medicamentos e vacinas antialérgicas.

  • Evitando: é aconselhável manter o ambiente limpo.

 

Sinusite – é a inflamação dos seios nasais, que são cavidades no crânio em torno do nariz. Provocada por alergias ou infecções por vírus ou bactérias, causa dor de cabeça, pálpebras inchadas, nariz entupido, secreção nasal e dor nos olhos. O tratamento pode ser feito com corticoides, descongestionantes e antibióticos no caso de infecção bacteriana.

  • Evitando: comer frutas e vegetais embalados com antioxidante em abundância, evitar o fumo e os poluentes, beber muitos líquidos e considerar o uso de um umidificador.

​​​​​​​

Alergias – são causadas por reações do organismo a diversos elementos, como pelos de animas, mofo, poeira, perfumes etc. Causam inúmeros sintomas, como espirro, coceira e tosse. O tratamento é específico para cada caso.

  • Evitando: prevenção pode ser feita mantendo os ambientes ventilados, limpos e evitando o contato com substâncias que podem desencadear alergia.

 

Importante não se automedicar, procure um especialista e mantenha suas vacinas em dia. Sua saúde vale Ouro. 

 

 

Foi realizado um levantamento da prevalência de casos de Giardíase em uma determinada creche no Brasil, identificando uma porcentagem maior que 50% de crianças acometidas pelo parasita Giárdia.
Os parasitas intestinais humanos apresentam-se como um problema sanitário, considerando um elevado aumento de pessoas acometidas, apesar das crianças entre 2 a 5 anos de idade ser o foco da doença, houve um aumento nos casos de adultos também, ocasionando alterações graves no metabolismo.

O que caracteriza essa doença e quais são os sintomas?

A Giardíase é caracterizada por uma infecção intestinal por um parasita microscópico, podendo ou não apresentar sintomas, em casos que não apresentam alterações o parasita permanece no intestino, ocasionando sintomas tardios, casos que são caracterizados por sintomas logo após a contaminação, são caracterizados por:

  • Má absorção de alimentos
  • Náuseas
  • Perda de peso
  • Cólicas abdominais seguidas de diarreias

Dependerá de cada indivíduo os sintomas persistentes, podendo variar de duas a quatro semanas.

Mas afinal, como posso adquiri-la?

A Giardíase pode ser adquirida pela ingestão de cistos maduros, pelas seguintes formas:

  • Alimentos não higienizados corretamente
  • Ingerir água contaminada
  • Contaminação de pessoa para pessoa através de mãos contaminadas
  • Frequentar locais contaminados sem o conhecimento, como: lagos, rios, riachos.

Pessoas vulneráveis à doença

  • Crianças são mais propiciais a entrarem em contato com fezes contaminadas, ainda mais se utilizam fraldas, além de frequentarem banheiros infantis que podem estar contaminados, colocando os próprios profissionais em risco.
  • Indivíduos que não possuem saneamento básico de vida adequado são afetados diariamente, tanto pela ingestão de água contaminada, quanto pela falta do conhecimento da doença, contaminando-se acidentalmente em lagos e rios por exemplo.

Diagnóstico

O médico irá investigar os sintomas apresentados, logo irá solicitar exames de fezes para a comprovação de sua suspeita, além de realizar exames físicos para identificar alguns inchaços no corpo do paciente identificando desidratação, além de relacionar atividades e lugares frequentados nas últimas semanas.

Tratamento

Nesse caso é de extrema importância seguir corretamente as orientações médicas para que a infecção não volte e não haja o perigo de contaminar outras pessoas, dependendo do caso o médico irá prescrever antibiótico ou mesmo um antiparasitário, sem interromper a medicação ou aumentar a dose.

Dicas para prevenção

Mantenha-se sempre atento aos sinais que seu corpo apresenta, em caso de sintomas citados acima procure um médico o mais rápido possível, dentre as dicas atente-se:

  • A lavagem das mãos é a forma mais simples e eficiente para evitar as infecções em gerais, além do uso aconselhado do álcool em gel, antes e após atividades do dia a dia.
  • Certifique-se que a água ingerida no seu cotidiano passou pelo tratamento adequado para seu consumo.
  • Evite locais com antecedências de contaminação de água pelo parasita
  • Estar atento às atividades praticadas pela criança é de extrema importância para evitar esta infecção.

 

 

 

 

O que é a Sífilis?

A Sífilis é ocasionada por uma Infecção Bacteriana, sendo considerada uma DST (Doença Sexualmente Transmissível), o aumento tem preocupado especialistas, que alertam um crescimento significante na ocorrência dessa doença.

No ano de 2010 foram registrados 1249 casos de sífilis adquirida. Em 2015, esse número subiu para 65.878, um aumento de mais de 5.000%, e chegou em 87.593 casos em 2016, segundo o Ministério da Saúde.

Nos casos de sífilis congênita (transmitida da mãe para o bebê durante a gestação ou parto), o número de casos passou de 3.356 em 2016 para 4.139 casos em 2017, um aumento de 23,33%.

 

Há várias manifestações clínicas e diferentes estágio, dentre:

Estágio Primário

  • Geralmente ocasionada por feridas, sem apresentar coceira ou algum tipo de dor, porém pode estar acompanhada de ínguas na virilha, manifestando-se após 10 a 90 dias do contágio.

Estágio Secundário

  • Ocorre a cicatrização da ferida inicial, podendo aparecer manchas pelo corpo todo, sendo muitas vezes confundidas com alergias comuns, que desaparecerão sem tratamento algum. Consequentemente das manifestações, o indivíduo apresentará febre, mal-estar e dores de cabeça.

Estágio de Latência

  • Considerada uma fase assintomática, ou seja, sem sinais ou sintomas, tendo como uma única maneira de constatar a Sífilis: realizando testes Imunológicos.

Estágio Terciário

  • Fase caracterizada por lesões cutâneas, cardiovasculares, neurológicas ou ósseas, podendo ter início prolongado por anos.

 

Como é transmitida?

A Sífilis é transmitida por meio de relação sexual desprotegida com o indivíduo contaminado, ou mesmo, durante a gestação ou parto, acometendo o bebê.

 

Quais são os sintomas?

Caracterizados por dores nos músculos, acompanhados de fadigas e dores de cabeça, além dos sintomas característicos de cada fase citado acima, ou seja, logo em diante não há mais sintomas, podendo assim ocorrer anos mais tarde, acarretada de danos em nossos órgãos.

 

Como é feito o diagnóstico?

O médico irá suspeitar conforme o relato do paciente, dessa maneira solicitará exames específicos, como exemplo os Testes Rápidos para a Sífilis desenvolvidos para a confirmação ou não da doença, assemelham-se bastante com os testes de gravidez e estimam 30 minutos para o resultado preciso.

O diagnóstico pode ser realizado com a identificação da ferida inicial seguido de irritações na pele.

 

Tratamento

A sífilis é tratada com antibiótico, sendo sempre necessário consultar um médico para que aconselhe o tratamento que possua resultados rápidos e eficientes, além de individualizados.

 

Principal prevenção

Manter as relações sexuais sempre protegidas através do uso da camisinha, que irá possibilitar a prevenção de todas as DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis).

 

 

Cuidar dos dentes não é apenas uma questão de estética, mas também de saúde, seu hábito regular propicia uma qualidade de vida significante, dessa maneira a boca deve ser vista como a vitrine da saúde do nosso corpo.

 

O coração possui extrema importância, bombeando o sangue, distribuindo oxigênio e nutrientes para todo o organismo, dessa forma merece atenção para seu bom funcionamento, devendo adotar medidas de prevenções.

 

Afinal, qual a relação?

A saúde Bucal e as doenças cardíacas estão associadas pela disseminação de bactérias devido ao descuido com a limpeza na região Bucal, dessa forma ocorre à manifestação de germes e bactérias, espalhando-se para outras áreas do corpo através da corrente sanguínea.

Onde poderá disseminar-se?

As bactérias ou mesmo os germes se aderem ao músculo do coração, por exemplo, lesionando e causando inflamação. Ou também, poderá provocar acidentes Cardiovasculares.

 

Conheça as doenças mais graves causadas pela má higiene bucal

Gengivite

A gengivite é a inflamação da membrana Gengival, que conforme seu progresso afetam os ossos que sustentam os dentes, formada por uma placa aderente, com isso, uma pessoa que possui a Gengivite ao passar o fio dental ou mesmo na escovação pode ocorrer o sangramento, caindo bactérias em sua corrente sanguínea.

 

Sintomas

  • Vermelhidão
  • Sangramento Gengival
  • Odor desagradável
  • Inchaço

 

Endocardite Bacteriana

Decorrente da Gengivite, a Endocardite Bacteriana é uma doença que causa inflamação na membrana que reveste a parte interna do coração e as válvulas cardíacas.

No caso de má higiene bucal, pode acontecer das mais de 150 milhões de bactérias presentes na saliva caírem na corrente sanguínea, levando a endocardite.

Estima-se que cerca de 150 mil brasileiros sofram do problema anualmente.

 

Sintomas

  • Dor torácica,
  • Perda de peso repentina,
  • Sangue na urina,
  • Febre persistente,
  • Fraqueza,
  • Frequência cardíaca oscilando entre moderada e acelerada,
  • Suor noturno e tosse constante.

 

Quem corre esse risco?

Pessoas que possuírem algum tipo de doença crônica como gengivite ou mesmo aqueles que possuem uma saúde bucal precária, principalmente se ela não for devidamente diagnosticada e possivelmente tratada, irá aumentar consequentemente sua virulência e sua gravidade.

 

Quais as dicas para uma boa higienização Bucal?

  • Escovar os dentes no mínimo 3 vezes ao dia.
  • Usar fio dental diariamente.
  • Usar enxaguante Bucal com flúor, caso recomendado.
  • Uma escova adequada, com cerdas macias e a cabeça pequena para que alcance facilmente todas as áreas da boca, dentes posteriores por exemplo.

Além das dicas essenciais descritas anteriormente, é necessário uma postura Pró Ativa com exames regulares, mantendo seu sorriso saudável, limpo e bonito por toda sua vida.

A pele é o maior órgão do corpo humano e tem como função fazer interação do corpo com o ambiente externo e é ela quem sofre com fatores ambientais.

O Sol e suas radiações podem trazer benefícios, mas também podem ser prejudiciais à pele, e se não tomarmos alguns cuidados diariamente os efeitos podem ser irreversíveis em longo prazo.

Só no Brasil, o câncer de pele atinge milhares de pessoas todos os anos. Segundo a SBD – Sociedade Brasileira de Dermatologia - esse tipo de câncer é considerado o mais frequente no país, correspondendo a 33% dos casos.

Por isso proteger-se do Sol é importante, não só para evitar queimaduras, mas também para prevenção de doenças como o câncer.

 

Problemas causados pelo excesso de exposição ao Sol

Queimaduras

Os raios solares podem provocar queimaduras na pele, e a incidência é maior em pessoas de pele clara. Elas podem ser caracterizadas por vermelhidão ou até bolhas, dependendo do grau, provocando ardência, coceira ou dor no local atingido.

Melasmas

Melasma é caracterizada pelo surgimento de manchas escuras na pele, principalmente, pelo excesso de exposição solar. Normalmente aparecem com mais frequência nas mulheres.

Envelhecimento precoce

A exposição excessiva ao sol sem proteção é capaz de acelerar o envelhecimento da pele. Isso porque, os raios solares danificam as fibras de colágeno e elastina, provocando rugas e manchas.

Acnes

A exposição solar de forma exagerada faz com que a pele produza mais sebo e, assim, fique propícia para o crescimento de bactérias e fungos responsáveis pelo aparecimento das espinhas. Nesses casos, é indicado lavar o rosto com usar um protetor solar sem óleo, como os em gel.

Câncer de pele

A doença é provocada pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Existe mais de um tipo da doença, os mais comuns são os carcinomas basocelulares e os espinocelulares. Mais raro e letal que os carcinomas, o melanoma é o tipo mais agressivo de câncer da pele.

Pintas, lesões elevadas, pintas assimétricas e irregulares ou manchas e feridas que não cicatrizam podem caracterizar o começo de um câncer. É fundamental procurar ajuda médica caso apresente algum desses sintomas.

 

Confira algumas dicas importantes para proteger-se do Sol

  • Usar protetor solar diariamente

A maioria das pessoas só usa protetor solar quando vai à praia, ao clube ou se expor por um período maior. Devemos criar o hábito de usar o protetor todos os dias antes de sair de casa, assim como escovamos os dentes, pois mesmo em dias nublados há exposição aos raios solares.

Lembrando que deve ser reaplicado ao longo do dia, principalmente se fizer atividades que façam transpirar.

 

  • Como escolher o fator ideal do protetor solar

A SBD recomenda um fator mínimo de 30. A pessoa deve escolher o protetor de acordo com tom de pele, por exemplo, quem tem pele clara, se queima mais fácil, é recomendado um FPS de 50 para cima. Se o período de exposição ao Sol for longo, como atividade externa, passeios em clubes ou praias, deve-se escolher um fator acima de 50, mesmo para tons de pele mais escuros.

Lembre-se, para as crianças deve ser usado um protetor solar infantil, pois ele a formulação é adaptada para o tipo de pele mais delicada.

 

  • Acessórios para proteção

É recomendado o uso de acessórios complementares aos protetores, como óculos escuros, bonés, chapéus, sombrinhas e também guarda-sol quando estiver em praias ou em clubes.

 

  • Controle a exposição ao Sol

Entre as 10 e as 14 horas é o período em que a radiação UVB está mais intensa. Atualmente, a maioria dos filtros possui fator contra os raios UVA e UVB, mas nenhum garante 100% de proteção. Portanto, se durante esse horário você estiver na praia, piscina ou até mesmo praticando alguma atividade ao ar livre, o recomendável é não abusar do sol.

Por isso proteger-se do Sol é importante, não só para evitar queimaduras, mas também para prevenção de doenças como o câncer.