A Doença

Ninguém espera que uma doença como o câncer possa atingir alguém com tão pouco tempo de vida. É por isso que muitos pais ficam aflitos quando descobrem que o seu filho tem a doença. Felizmente, com os avanços da pesquisa e dos tratamentos, o câncer infanto-juvenil – uma das causas de mortes não acidentais mais comuns entre crianças e adolescentes – já pode ser derrotado quando diagnosticado a tempo.

Os pais devem ficar atentos a problemas que não somem. Após o diagnóstico devem procurar tratamento imediato que, se aplicado nas fases iniciais da doença, permite a cura em cerca de 70% dos casos.

 

Câncer Infanto-juvenil no Brasil

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), cerca de 12 mil crianças e adolescentes são diagnosticadas com câncer anualmente no Brasil, o que representa uma média de 32 casos por dia e é considerada a primeira causa de morte por doença na população infanto-juvenil.

Pesquisas nacionais e internacionais ainda não conseguiram desvendar o que pode desencadear o câncer pediátrico, mas já é sabido que ele é causado por alterações em células embrionárias. Por isso, a prevenção não é possível e o diagnóstico precoce é fundamental para o aumento das chances de cura.

A boa notícia é que em centros médicos especializados no tratamento da doença, a taxa de cura média é de 70%, comparável a países de primeiro mundo.

 

Os sinais e aos sintomas da doença são:

  • Dores de cabeça pela manhã e vômito;
  • Caroços no pescoço, nas axilas e na virilha, ínguas que não resolvem;
  • Dores nas pernas  que não passam e atrapalham as atividades das crianças;
  • Manchas arroxeadas na pele, como hematomas ou pintinhas vermelhas;
  • Aumento de tamanho de barriga e
  • Brilho branco em um ou nos dois olhos quando a criança sai em fotografias com flash.

 

Tipos de Tumores

Atualmente, os métodos utilizados no tratamento do câncer infantil garantem altos índices de cura, perto de 70%. Mas, para se chegar nesse patamar, é fundamental o diagnóstico precoce.

Muitos dos sintomas são semelhantes aos de várias doenças infantis comuns, mas, se eles não desaparecerem em um prazo de 7 a 10 dias, é preciso voltar ao médico e insistir para obter um diagnóstico mais detalhado com exames laboratoriais ou radiológicos.

 

Conheça os tipos de câncer mais comuns em crianças:

  • Leucemia;
  • Tumores do Sistema Nervoso Central;
  • Linfoma não Hodgkin;
  • Neuroblastoma;
  • Tumor de Wilms;
  • Sarcomas de partes moles;
  • Tumores ósseos;
  • Retinoblastoma;
  • Doença de Hodgkin;
  • Histiocitose;
  • Tumores Germinativos.

 

Tratamento

Diferentemente do câncer do adulto, o câncer infanto-juvenil geralmente afeta as células do sistema sanguíneo e os tecidos de sustentação. Por serem predominantemente de natureza embrionária, tumores na criança e no adolescente são constituídos de células indiferenciadas, o que, geralmente, proporciona melhor resposta aos tratamentos atuais.

O tratamento do câncer começa com o diagnóstico correto. Para isso, é necessário um laboratório confiável e o estudo de imagens. Pela sua complexidade, o tratamento deve ser feito em centro especializado. Compreende três modalidades principais (quimioterapia, cirurgia e radioterapia), sendo aplicado de forma racional e individualizada para cada tumor específico e de acordo com a extensão da doença. 

O trabalho coordenado de vários especialistas (oncologistas pediatras, cirurgiões pediatras, radio terapeutas, patologistas, radiologistas, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos, nutricionistas, farmacêuticos) também é determinante para o sucesso do tratamento.

Tão importante quanto o tratamento do câncer em si, é a atenção dada aos aspectos sociais da doença, uma vez que a criança e o adolescente doentes devem receber atenção integral, no seu contexto familiar. A cura não deve se basear somente na recuperação biológica, mas também no bem-estar e na qualidade de vida do paciente. 

Neste sentido, não deve faltar  ao paciente e à sua família,  desde o início do tratamento, o suporte psicossocial necessário.

 

O Que é o Colesterol?

O colesterol é uma substância gordurosa encontrada naturalmente no organismo de todas as pessoas, e é crucial para a sobrevivência.

É feito pelo fígado e exigido pelo corpo para o bom funcionamento das células, nervos e hormônios.

Na verdade, o colesterol desempenha um papel importantíssimo, que é o de manter as células do corpo funcionando corretamente, além de contribuir para a secreção de todos os hormônios do organismo.

 

Tipos de colesterol

  • HDL (Highdensity lipoprotein / Lipoproteína de densidade alta) também conhecido como "colesterol bom"
  • LDL (Low-density lipoprotein / Lipoproteína de densidade baixa) também conhecido como "colesterol ruim ou mau colesterol"
  • VLDL (Very low-density lipoprotein / Lipoproteína de densidade muito baixa) também conhecido como “transportador” de LDL, HDL e triglicérides

É o colesterol ruim, o LDL, que está relacionado ao seu problema de colesterol alto!

 

Sintomas do colesterol Alto

O colesterol alto é um problema extremamente sério, embora 70% do colesterol seja produzido no fígado, o restante é proveniente de nossa alimentação. Os sintomas do colesterol alto são silenciosos, dificilmente você notará algum sintoma e por isso, é fundamental que você realize exames laboratoriais anualmente.

O colesterol alto é uma doença silenciosa, a única maneira de descobrir se você sofre com esse problema é através de um exame de sangue.

Sinais como dores no peito, palpitações e falta de ar podem estar associados com doenças provenientes do colesterol alto, como é o caso do infarto agudo do miocárdio.

Com os exames periódicos, o profissional de saúde será capaz de analisar e definir se você se classifica em baixo, médio ou alto risco para sofrer com doenças cardiovasculares!

 

Causas

As principais causas do colesterol alto são consumo excessivo de álcool, dieta rica em carboidratos, gorduras e histórico familiar de colesterol alto.

O colesterol alto pode ser causado por diversos fatores, tais como:

 

  • Tabagismo,
  • Sedentarismo,
  • Hipertensão,
  • Idade: acima dos 50 anos,
  • Sexo: mulheres na menopausa possuem mais risco de ter colesterol alto,
  • Histórico familiar,
  • Obesidade,

 

Consequências do colesterol alto

A principal consequência do colesterol alto é o aumento considerável do risco de doenças cardiovasculares, como:

  • Aterosclerose;
  • Infarto;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Pressão alta.

No entanto, o colesterol alto não apresenta sintomas, sendo diagnosticado apenas através do exame de sangue.

 

Tratamento para colesterol alto

O tratamento para colesterol alto envolve alterações na dieta, a prática regular de atividade física e o uso de medicamentos.

Na dieta para baixar o colesterol, deve-se dar preferência ao consumo de frutas, verduras e cereais integrais, pois são alimentos ricos em fibras, que ajudam a diminuir a absorção de gordura no intestino. Além disso, deve-se evitar o consumo de carnes vermelhas, bacon, salsicha, manteiga, margarina, frituras, doces e bebidas alcoólicas.

 

Lembrando que o melhor tratamento é a prevenção e através de exames periódicos. No All Doctors você encontra profissionais de saúde, clínicas e laboratórios a preços acessíveis. All Doctors ajudando você a cuidar de sua saúde.