Pode até não parecer, mas a atuação da fonoaudiologia vai muito além de “ensinar crianças a falar certo”. Segundo o Conselho Regional de Fonoaudiologia, o profissional da área é responsável pelos cuidados da audição, da linguagem oral, da articulação da fala, da voz, da fluência,  da leitura e escrita e dos sistemas orofacial e de deglutição, tanto em termos de promoção e prevenção da saúde, quanto com ações de avaliação, diagnóstico, terapia das alterações de tais funções e orientação a familiares, cuidadores e outros profissionais.

 

Alguns momentos da vida em que a atuação fonoaudiológica em crianças se faz necessária:

  • O fonoaudiólogo que trabalha em maternidades realiza o Teste da Orelhinha e o Teste da Linguinha nos bebês com poucos dias de vida. Há leis nacionais que obrigam a realização dos dois exames para tentar identificar precocemente alterações na audição e no ‘freio’ lingual do bebê.  As duas avaliações são rápidas e não causam dor ou prejuízos ao recém-nascido, porém podem ser cobradas nos hospitais da rede particular.
  • Quando necessário, um profissional da Fonoaudiologia pode ensinar o bebê a sugar corretamente, o que evitará a pega incorreta e fissuras das mamas da mãe e impossibilitando ou prolongando a amamentação da criança.
  • Por inúmeros motivos, algumas crianças não conseguem se alimentar. Listo aqui a dificuldade para deglutir, aversão à textura sólida, impossibilidade de mastigação… E é aí que o fonoaudiólogo identificará a causa e tratará a alteração específica.
  • O seu filho te entende? Mesmo ainda não tendo linguagem expressiva, a criança já deve conseguir compreender algumas ordens simples e brincadeiras . Se você o ensina, mas ele parece não seguir ou entender, talvez seja a hora de buscar uma avaliação fonoaudiológica para seu(a) pequeno(a)!
  • Se a linguagem da criança não parece mudar ao longo dos meses e todos começam a questionar quanto às primeiras palavras, procure um profissional. Existe uma ideia  que é possível esperar até 03 anos, mas isso não é verdadeiro para todas as crianças.
  • Entre dois e cinco anos de idade, a criança passa a ser um falante fluente. Se após essa idade ainda houver alterações na produção de fala, a intervenção fonoaudiológica se faz necessária. Lembre-se que o pequeno deve estar bem preparado para a fase seguinte, que é a alfabetização.
  • Finalizado o processo de alfabetização, seu (a) filho(a) ainda tem dificuldade para ler? Ele é tido como ‘desinteressado’ ou ‘preguiçoso’? Ou dá muito trabalho para fazer a lição? Preste atenção! Algo pode estar acontecendo, como um distúrbio de aprendizagem, de linguagem ou de audição. Um fonoaudiólogo e, em alguns casos, com o apoio de uma equipe multidisciplinar pode ajudar os familiares.
  • Todo mundo sabe como a chupeta e a mamadeira são prejudiciais, mas é difícil não oferecer, certo? Não hesite em pedir ajuda profissional para que a retirada aconteça na época correta. Fonoaudiólogos e dentistas podem trabalhar em conjunto com a “fada da chupeta”, Papai Noel e afins…
  • Gagueira, rouquidão, respiração bucal e má oclusão dentária são outras alterações que precisam ser avaliadas e trabalhadas junto pelos profissionais. Lembrem-se que, quanto antes iniciarem o acompanhamento, melhores e mais rápidos serão os resultados.

 

 

 

Sinusite é uma inflamação da mucosa dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos. A doença pode ser secundária a uma infecção, quadro alérgico ou qualquer fator que atrapalhe a correta drenagem de secreção dos seios da face. O nome mais utilizado para esse problema é rinossinusite, pois o processo inflamatório atinge tanto a mucosa dos seios da face como a mucosa nasal.

 

Tipos

Existem dois tipos:

  • Aguda: quando os sintomas estão presentes por um período inferior a 12 semanas
  • Crônica: quando o inchaço e a inflamação dos seios nasais estão presentes por mais de 12 semanas.

 

Causas

A sinusite tanto pode ser causada por agentes infecciosos, como bactérias, fungos e vírus, quanto por fatores alérgicos. Poeira, choque térmico e cheiros ativos são listados como desencadeadores da rinopatia alérgica. Exposição a determinados agentes químicos e alterações na anatomia nasal ou dos seios da face fazem parte do outro grupo de responsáveis pela sinusite. Há ainda, casos mais raros que levam à sinusite, como a presença de um tumor.

 

Sintomas de Sinusite


Os sinais e sintomas da sinusite crônica não são tão semelhantes à sinusite aguda, pois nos quadros crônicos a tosse é um dos sintomas mais frequentes e a febre raramente está presente. Isso porque a sinusite aguda é uma infecção temporária dos seios muitas vezes associada a um resfriado. Já a rinossinusite crônica corresponde a um processo inflamatório com duração prolongada (maior que 12 semanas) podendo ainda ser classificada em rinossinusite crônica com polipose e rinossinusite crônica sem polipose. Para o diagnóstico de rinossinusite crônica devemos ter dois ou mais dos seguintes sinais:

Obstrução nasal ou secreção nasal associados a pelo menos um dos sintomas:

  • Pressão ou dor facial
  • Redução ou perda do olfato
  • Associado a alterações tomográficas ou evidenciadas por exame de videonasofibroscopia
  • Com duração maior que 12 semanas.

Outros sinais e sintomas podem incluir:

  • Dor de ouvido
  • Dores no maxilar superior e dentes
  • Tosse, que pode ser pior durante a noite
  • Garganta inflamada
  • Mau hálito (halitose)
  • Fadiga ou irritabilidade
  • Náusea.

 

Na consulta médica


Especialistas que podem diagnosticar a sinusite são:

  • Otorrinolaringologista
  • Clínico geral
  • Pediatra

 

Medicina Hiperbárica


Oxigenoterapia hiperbárica é uma modalidade terapêutica na qual o paciente respira oxigênio puro (100%), enquanto é submetido a uma pressão 2 a 3 vezes a pressão atmosférica ao nível do mar, no interior de uma câmara hiperbárica. Ela provoca um espetacular aumento na quantidade de oxigênio transportado pelo sangue, na ordem de 20 vezes o volume que circula em indivíduos que estão respirando ar ao nível do mar. Nestas condições, o oxigênio produzirá uma série de efeitos de interesse terapêutico, tais como: combate infecções bacterianas e por fungos, compensa a deficiência de oxigênio decorrente de entupimentos de vasos sanguíneos ou destruição dos mesmos, como acontece em casos de esmagamentos e amputações de braços e pernas, normalizando a cicatrização de feridas crônicas e agudas; neutraliza substâncias tóxicas e toxinas, potencializa a ação de alguns antibióticos, tornando-os mais eficientes no combate às infecções e ativa células relacionadas com a cicatrização de feridas complexas.


Câmara Hiperbárica


A câmara hiperbárica consiste em um equipamento médico fechado, resistente à pressão, geralmente de formato cilíndrico e construído de aço ou acrílico e que pode ser pressurizado com ar comprimido ou oxigênio puro. Podem ser de grande porte, acomodando vários pacientes simultaneamente ou de tamanho menor, comportando somente um indivíduo.
 
 

O Oxigênio


O oxigênio é administrado através de máscaras e capacetes de plástico apropriados para esta finalidade. Existe ainda a possibilidade, em se tratando de câmaras monopacientes, de o paciente respirar o oxigênio diretamente da atmosfera da câmara, quando esta é pressurizada com este gás.


Indicações Gerais
Normalmente o tratamento é indicado para feridas de difícil cicatrização como, por exemplo:


•    Na região das nádegas de pessoas acamadas por um longo período e nos pés de diabéticos infecções graves com destruição muscular, de pele, ou gordura subcutânea
•    Lesões de bexiga, intestinos, ossos e cérebro, causadas tardiamente por radioterapia
•    Esmagamentos e amputações traumáticos, infecção crônica dos ossos, procedimentos de cirurgia plástica reparadora, quando se recobre uma ferida com pele ou músculos retirados de outra parte do corpo do próprio paciente, com risco de insucesso presença de bolhas de ar na corrente sanguínea, complicação passível de ocorrer após a realização de alguns procedimentos médicos; 
•    Queimaduras extensas, coleção de pus ou ar no cérebro, causados, respectivamente, por processo infeccioso e trauma.

 

 

Bons hábitos alimentares em conjunto com a prática regular de exercícios físicos é capaz de manter as taxas de colesterol bom (HDL) e ruim (LDL) em perfeito equilíbrio, afastando de perto o risco de infarto e derrame cerebral, além de outras doenças. A seguir, confira a lista de alimentos, para encampar uma batalha contra o colesterol alto e sair vencedor (sem, é claro, abrir mão de comer bem).

 

Aveia

Além das fibras insolúveis, a aveia contém uma fibra solúvel chamada betaglucana, que exerce efeitos benéficos ao nosso organismo. Ela retarda o esvaziamento gástrico, promovendo maior saciedade, melhora a circulação, controla a glicemia e inibe a absorção de gordura. A aveia diminui as concentrações de colesterol total, lipídios totais e triglicerídios de forma significativa e aumenta a fração do bom colesterol HDL.

 

Oleaginosas

Nozes e castanhas apresentam grande quantidade de antioxidantes, responsáveis por combater o envelhecimento celular e prevenir doenças coronárias, além de diversos tipos de câncer. A arginina, também presente em quantidades interessantes nas oleaginosas, atua como importante vasodilatador, contribuindo para a redução do risco de desenvolvimento de doenças do coração.

 

Chocolate amargo

O leite e a manteiga de cacau acrescentam doses de gordura saturada na guloseima que provoca arrepios de desejo. Mas o chocolate amargo pode fazer parte da sua dieta, porque é rico em flavonóides substâncias que diminuem o LDL colesterol ruim. Diariamente, inclua 30g do doce como sobremesa.

 

Azeite

É fonte de ácido oléico, que regula as taxas de colesterol e protege contra doenças cardíacas. Faz bem ao aparelho cardiocirculatório e para controlar o diabetes do Tipo 2, reduzindo a taxa glicêmica. É também uma grande fonte de antioxidantes, como a vitamina E.

 

Alcachofra
Suas fibras são resistentes à ação de enzimas e por isso apresentam muitas vantagens, entre as quais: diminuição dos níveis de colesterol e triglicérides sanguíneos ; redução do risco de obesidade e diabetes, fatores de risco para a saúde do coração. Como ela ajuda na quebra de gorduras e no controle do colesterol, é bastante recomendada para prevenir doenças cardíacas.

 

Laranja

Ela não é boa só para gripes e resfriados. Um estudo, concluiu que os flavonoides, substâncias antioxidantes presentes na fruta, diminuem os níveis de LDL colesterol ruim no organismo, pois limitam a absorção do colesterol no intestino.


Linhaça

A semente é um dos alimentos mais ricos em ômega 3, por isso, é responsável por prevenir doenças cardiovasculares, e evitar coágulos ao diminuir as taxas de colesterol total e de LDL colesterol (ruim) e aumentar as de HDL colesterol (bom). Os benefícios da linhaça se potencializam quando a semente é moída ou triturada, já que sua casca é resistente à ação do suco gástrico e passa sem sofrer digestão no trato gastrointestinal.

 

Vinho
A ingestão moderada da bebida uma a duas doses por dia promove elevação de aproximadamente 12% nos níveis de HDL, colesterol bom, semelhante à encontrada com a prática de exercícios. A maioria dos efeitos protetores do vinho tinto são atribuídos aos flavanoides, que possuem propriedades antioxidantes, vasodilatadoras e anti-coagulante plaquetária.

 

Canela

Pesquisadores da Kansas State University, nos Estados Unidos, constataram que consumir meia colher de sopa por dia desta especiaria tem papel importante no combate ao colesterol ruim (LDL). Os pesquisadores acreditam que tal redução é resultado da ação dos antioxidantes presentes na canela.

 

Soja

Além de ajudar a controlar problemas hormonais para as mulheres que estão na menopausa, a soja é uma excelente opção para quem quer proteger o coração: "ela ajuda a diminuir o colesterol ruim (LDL), aumenta o colesterol bom (HDL) e fortalece o organismo de infecções.

 

Açaí
Apesar do alto teor de gordura do açaí, trata-se em grande parte de gorduras monoinsaturadas (60%) e poli-insaturadas (13%). Estas gorduras são benéficas e auxiliam na redução do colesterol ruim (LDL) e melhoram o HDL, contribuindo na prevenção de doenças cardiovasculares, como o infarto. 


Chá
Principalmente o chá verde, pois os flavonoides, encontrados nesse tipo de chá, funcionam como antioxidantes e ajudam a prevenir a inflamação dos tecidos. Estas substâncias também podem proteger contra a formação de coágulos, que são as principais causas de ataques do coração.

 

As oleaginosas são sementes ricas de óleo, envolvidas por uma casca rígida e que podem ser consumidas in natura. O alto teor de gordura boa desses produtos confere energia e, como também são fontes de vitaminas e minerais, colaboram para o bom funcionamento do organismo. Entenda os benefícios de algumas dessas sementes:

 

  • Nozes: Por ser fonte de ômega 3, essa é uma oleaginosa protetora do cérebro. As nozes evitam que os radicais livres ataquem os neurônios, previnem o envelhecimento cerebral, o que reduz o risco de doenças como o Alzheimer e o Parkinson, além de melhorar a memória. Entre as oleaginosas é a que possui maior teor de vitamina E, o que é importante para proteger os vasos sanguíneos e controlar a pressão arterial. Consumo: não deve passar de 4 unidades diárias

 

  • Amêndoas: Esse é um tipo de oleaginosa com baixo teor glicêmico, o que faz dela uma boa opção para quem possui uma dieta que restringe o número de calorias a serem consumidas diariamente. Além disso, as amêndoas são fonte de antioxidantes, de gorduras monoinsaturadas, das vitaminas B1 e E, e de minerais. Por isso, é um alimento que protege o coração de doenças cardiovasculares. Consumo: não deve passar de 4 unidades diárias.

 

  • Macadâmia: É a que possui maior teor de gordura e menor concentração de proteínas e carboidratos. Por isso, ela é uma das melhores opções para inserir em dietas com baixo consumo de proteínas e carboidratos. Seus minerais e vitaminas colaboram para reduzir o risco de doenças como a síndrome metabólica, hipertensão e diabetes. A macadâmia também contém ômega 7, que ajuda a controlar a queima de gordura e a reduzir o apetite. Consumo: não deve passar de 4 unidades diárias.

 

  • Avelã: Essa é a principal oleaginosa para reduzir o colesterol ruim (LDL) e elevar os níveis do colesterol bom (HDL). Consumo: Dez unidades diárias já são suficientes para obter todos os benefícios desta semente.

 

  • Castanha do Pará: essa é a maior fonte de selênio conhecida. Esse é um importante mineral que atua na inativação dos radicais livres, ativa os hormônios da tireoide, contribui para a desintoxicação do organismo e fortalece o sistema imunológico. Consumo: no máximo 2 unidades por dia.

 

  • Castanha de Caju: Por conter zinco em sua composição, esse tipo de castanha é fundamental para prevenir casos de anemia. As gorduras poli-insaturadas dessa oleaginosa reduzem os níveis de LDL e elevam as taxas de HDL. Ela ainda conta com um aminoácido chamado arginina, que melhora desempenho durante a prática de atividades físicas e a capacidade de recuperação no pós-treino. Consumo: consumir uma porção de 1 colher de sopa no dia

 

Como consumir as oleaginosas?

 

A melhor forma de inserir essas frutas é in natura, sem aquecer. Isso porque ao serem aquecidas elas tendem a oxidar e a ficar rançosas. Você pode optar por consumir um mix delas ou ainda um tipo por dia. No entanto, é sempre importante ficar atento à quantidade diária recomendada, para que o consumo não cause reações e prejuízos à saúde.

 

Como o consumo excessivo de castanhas pode prejudicar a saúde?

 

Pelo fato de as oleaginosas serem ricas em gorduras, o consumo em excesso pode resultar em ganho de peso. O indicado é não ingerir acima da quantidade indicada diariamente para cada tipo. Em casos de dúvidas, o recomendado é sempre consultar o médico ou nutricionista, para que ele estabeleça o quanto e de que maneira esses e outros alimentos devem ser inseridos no cardápio.

 

 

ANTERIOR
1 de 14
PRÓXIMO