Com a chegada da nova estação se aproximando, as pessoas buscam ainda mais por dietas sem nutricionista e se arriscam ao seguir dietas da moda, de revistas ou até mesmo da internet. Normalmente essas pessoas estão buscando resultados rápidos e muitas vezes sem saber os riscos que podem correr.

No Brasil 53,7% da população está acima do peso ideal e 17,7% são considerados obesos segundo pesquisa feita pela OMS. Com isso, a obesidade tornou-se uma indústria lucrativa, com diversos tipos de dietas, levando as pessoas acreditarem que é dispensável a ajuda de um profissional.

Confira os riscos de uma dieta sem acompanhamento nutricional.

 

1. Falta de nutrientes

As dietas encontradas em revistas e na internet normalmente propõe um resultado rápido e sem esforço, muitas vezes restringindo à dieta a um grupo de alimentos específicos como proteína, carboidratos, fibras ou líquidos.

Esses métodos podem ser prejudiciais à saúde devido à retirada imediata de alimentos importantes, levando a queda de vitaminas e minerais essenciais.

Por exemplo, carboidrato é um dos responsáveis pelo fornecimento de energia do nosso corpo e a restrição total pode apresentar sintomas como cansaço excessivo.

 

2. Efeito Sanfona

Com o tempo, a dieta restritiva começa a se tornar cada vez mais incômoda e muitos acabam desistindo de continuar ao chegarem ao objetivo desejado.

É um erro comum, pois a pessoa cria uma compulsão alimentar devido ao tempo de restrição e com o tempo, o peso é recuperado rapidamente, causando o chamado efeito sanfona. Ou seja, a pessoa colocou a saúde em risco por um objetivo que não se manteve em longo prazo.

 

3. Não considera intolerâncias alimentares

É comum encontrar pessoas com intolerância a lactose ou a glúten, e como essas dietas sem acompanhamento são superficiais, não é levado em conta essas especificidades e cuidados que a pessoa deve ter nesses e em outros casos.

Já quem se consulta com um profissional, terá esse e outros pontos avaliados, garantindo um procedimento individualizado e específico.

 

4. Facilita o aparecimento de algumas doenças

Dietas que são ricas em proteínas, por exemplo, podem sobrecarregar o fígado e rins, pois estes são os principais órgãos responsáveis por metabolizá-las.

Já aquelas com baixo consumo de fibras podem comprometer o funcionamento do intestino. Além de problemas com o intestino preso, podem até favorecer o aparecimento de alguns tipos de câncer.

 

5. Não conhece as necessidades diárias

Diferente das dietas da moda, quando se faz acompanhamento nutricional, o profissional avalia a rotina do paciente, suas preferencias alimentares e propõe um plano alimentar individualizado de acordo com seu histórico.

Sendo assim, não é preciso abrir mão do que gosta de comer, é possível fazer trocas ou diminuições dos alimentos de acordo com o objetivo de cada um.

 

Dicas para emagrecer com saúde

  • Não use suplementos ou medicações sem indicação de um nutricionista;
  • Pratique atividade física pelo menos 3 vezes por semana para auxiliar no emagrecimento;
  • Evite o jejum, pois o corpo acaba queimando massa muscular;
  • Não se esqueça de se hidratar, o consumo de água é extremamente importante para nosso corpo.

A tireoide é uma glândula responsável pela produção de hormônios como T3 (tri-iodotironina) e o T4 (tireoxina). Eles estimulam o metabolismo, ela interfere também no desempenho de órgãos vitais, como o coração, no funcionamento do intestino e no ciclo menstrual.

Quando a tireoide não funciona corretamente pode ocorrer dois tipos de distúrbios, o hipotireoidismo (produção baixa ou nula de hormônios) e o hipertireoidismo (produção excessiva de hormônios).

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, cerca de 10% das mulheres acima de 40 anos e em torno de 20% das que têm acima de 60 anos manifestam algum problema na tireoide. Porém é importante estar atento, pois todas as pessoas, independente de sexo e idade, estão sujeitas a alterações desta glândula.

 

Conheça os principais sintomas:

Hipertireoidismo:

  • Dificuldade de dormir;
  • Aceleração dos batimentos cardíacos;
  • Intestino solto;
  • Agitação;
  • Muita energia, apesar de muito cansaço;
  • Queda de cabelos;
  • Calor e suor exagerado;
  • Menstruação irregular;
  • Nervosismo e irritação;
  • Perda de peso resultante da queima de músculos e proteínas;
  • Tremores.

 

Hipotireoidismo:

  • Depressão
  • Diminuição da frequência cardíaca;
  • Intestino preso;
  • Menstruação irregular;
  • Diminuição da memória;
  • Cansaço excessivo;
  • Dores musculares;
  • Sonolência excessiva;
  • Pele seca;
  • Queda de cabelo;
  • Ganho de peso;
  • Aumento do colesterol no sangue;
  • Alterações na potência e libido dos homens.

 

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito pela dosagem do hormônio TSH e dos hormônios T3 e T4 produzidos pela tireoide. Os exames devem fazer parte do calendário anual de exames das mulheres a partir dos 35 anos.

Leia também: 7 exames preventivos que as mulheres devem realizar anualmente.

Índices elevados de TSH e baixos dos hormônios da tireoide caracterizam o hipotireoidismo. TSH baixo e alta dosagem de hormônios da tireoide caracterizam o hipertireoidismo.

 

Tratamento

No hipotireoidismo, normalmente começa com a reposição do hormônio tiroxina que a tireoide deixou de fabricar. Como raramente a doença regride, ele deve ser tomado por toda a vida.

No hipertireoidismo, o tratamento pode incluir medicamentos, e cirurgia dependendo das características e causas da doença. Deve iniciar assim que possível evitando a ocorrência possíveis arritmias cardíacas, hipertensão, fibrilação, infarto e osteoporose.

 

Recomendações

  • Procure adotar uma dieta alimentar equilibrada;
  • Fazer atividade física é indicado nos casos de hipotireoidismo, mas contraindicada para pacientes com hipertireoidismo;
  • Não é aconselhável fumar em nenhum dos casos;
  • A ingestão regular do iodo contido no sal de cozinha evita a formação de bócio (não em excesso).

De acordo com a Organização Mundial de Gastroenterologia, cerca de 20% da população mundial possui algum tipo de problema gastrointestinal.

Diante disso, listamos abaixo as principais doenças gastrointestinais e seus sintomas.

 

Refluxo

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) atinge entre 10 a 20% dos adultos e ocorre com frequência em bebês, normalmente a partir do nascimento.

O refluxo é o retorno do conteúdo do estômago para o esôfago e em direção à boca, causando dor e inflamação podendo em alguns casos levar a lesões. Isso acontece devido o músculo que deveria impedir que o ácido do estômago saia do seu interior, não funciona corretamente.

A inflamação causada no esôfago pode variar dependendo da acidez do conteúdo do estômago, e também da quantidade de ácido que entra em contato com a mucosa do esôfago.

Um fator que podem contribuir para o refluxo é a obesidade, já que tem um acumulo de gordura pressionando o estômago.

 

Sintomas

  • Azia
  • Gosto amargo na boca;
  • Tosses;
  • Boca seca;
  • Irritação da gengiva, incluindo sensibilidade e sangramento;
  • Mau hálito;
  • Regurgitação de ácido ou alimentos;
  • Inchaço após as refeições e durante episódios de sintomas;
  • Náusea;
  • Vômitos;
  • Fezes pretas;
  • Dificuldade em engolir (possível sinal de estreitamento do esôfago);
  • Perda de peso;
  • O desconforto piora quando você se dobra;
  • Queimação no estômago que pode subir até à garganta;
  • Dor de estômago, na laringe e/ou faringe;
  • Arroto;
  • Indigestão
  • Irritação crônica da garganta.

 

Constipação

A constipação pode ser definida pela dificuldade nas defecações ou quando são infrequentes, fezes duras. Quando a pessoa evacua menos do que três vezes na semana, a causa pode ser constipação, também conhecido como “intestino preso”.

 

Sintomas

  • Produzir menos evacuações que o normal. Pode variar de pessoa para pessoa, por isso é importante se atentar aos seus hábitos;
  • Dificuldade ou dores ao evacuar;
  • Inchaço no abdômen;
  • Gases em excesso.

 

Diarreia

A diarreia consiste no aumento do número de evacuações e a perda de consistência das fezes, que as fazem ter aspecto aguado. A diarreia é geralmente acompanhada por gases, cólica, urgência em defecar e, se for causada por um organismo infeccioso ou uma substância tóxica, náusea e vômito.

Uma complicação que pode ocorrer devia a diarreia é a desidratação, devemos nos atentar aos seguintes sintomas:

  • Boca seca;
  • Lábios rachados;
  • Confusão mental;
  • Diminuição da urina;

 

Dor Abdominal

Dor abdominal, também conhecida como dor de estômago e dor na barriga, é um sintoma que pode ser causado por uma variedade de doenças. Isso acontece porque no abdômen estão concentrados muitos de nossos órgãos.

Sua intensidade pode variar ser recorrente ou contínua, aguda ou crônica. Além disso, pode variar o local da dor na barriga, podendo ser na parte superior, inferior, esquerda ou direita.

Essa dor pode representar desde fatores simples, como gases ou intestino preso, até um problema mais sério digestivo, ginecológico ou renal.

Confira os sintomas que devem servir como sinal de alerta.

 

Sintomas

  • Dor que se estende por dias
  • Febre
  • Náuseas e vômito
  • Diarreia
  • Redução do apetite
  • Inchaço e barriga dura
  • Região abdominal sensível ao toque

 

Gases

Os gases são o ar que se acumula no sistema digestivo e que pode ser liberado através do ânus (flatulência) ou através da boca (arrotos). Em alguns casos esses gases podem causar dores fortes no abdômen e tórax.

 

Sintomas de gases estomacais

  • Desconforto gástrico;
  • Arrotos frequentes;
  • Estômago alto;
  • Perda do apetite;
  • Sensação de peso no estômago;
  • Pode haver azia, falta de ar e fisgada no peito, como se o coração fosse afetado.

 

Sintomas de gases intestinais

  • Dor abdominal intensa, por vezes em forma de pontada;
  • Inchaço abdominal;
  • Barriga dura;
  • Flatulência;
  • Prisão de ventre;
  • Cólica intestinal.

 

Caso tenha algum desses sintomas ou desconforto, consulte um profissional Gatroenterologista para que ele possa fazer um diagnóstico correto.