Algumas mulheres não tem o hábito de ir ao ginecologista com frequência, procurando ajuda somente quando notam algum sintoma ou sentem mal-estar, como corrimentosuspeita de gravidez ou sentem dores durante a relação sexual.

A orientação é procurar um ginecologista anualmente e, inclusive realizar check-ups com intuito de prevenir possíveis doenças, quanto antes diagnosticado, maiores são as chances de sucesso nos tratamentos.

Segundo pesquisa, mais da metade das mulheres, 52% não realizam exames ginecológico preventivo, o famoso Papanicolau, exame esse que pode detectar doenças como o câncer de colo de útero que é o terceiro tumor que mais afeta a população feminina no Brasil.

Pensando nisso trouxemos uma lista de exames preventivos que devem fazer parte do check-up anual da mulher.

 

1. Preventivo: 

Citologia oncótica cervical, popularmente conhecida como Papanicolau. A coleta do exame é feita através de uma espátula especial é usada para coletar material do colo uterino, analisado depois em laboratório. Esse exame deve ser feito anualmente, um ano após o início da atividade sexual.

Detecta alterações no colo do útero e doenças como o câncer do colo do útero e infecções por fungos, herpes e verrugas no órgão genital feminino.

 

2. Colposcopia, Vulvoscopia:

São exames solicitados que complementam o Papanicolau caso tenha alteração.

A colposcopia é um exame que avalia de maneira detalhada a vagina e colo do útero. É utilizado um colposcópio, uma espécie de binóculo que ilumina e amplia a visão da região.

Em caso de mulheres virgens, é feito o exame vulvoscopia, pois será realizado com um tipo de microscópio que permite a ampliação da região genital.

É possível verificar se há ou não uma lesão na região, e se é de natureza benigna (ou inflamatória), pré-maligna ou maligna. Pode detectar problemas como verrugas genitais no colo do útero que pode ser causada pelo vírus HPV (Vírus do Papiloma Humano), cervicite, pólipos benignos (crescimentos irregulares de tecidos) e sangramento.

 

3. Ultrassom transvaginal: 

O exame é realizado por uma sonda especial, que é envolta com preservativo para proteger e evitar contaminações.

É indicado para detectar doenças na região pélvica como: endometriose, miomas, cisto nos ovários, tumores de ovários etc.

 

4. Mamografia:

O exame entra normalmente no calendário anual em mulher a partir dos 40 anos. É um exame não invasivo realizado através do mamógrafo, um aparelho semelhante ao raio-X convencional só que projetado para a anatomia da mama.

Geralmente se tem alteração o médico pede ultrassom ou biópsia para confirmar eventuais suspeitas.

 

5. Exame de sangue

O exame de sangue básico deve ser repetido anualmente para analisar a saúde da mulher em geral. É coletado em laboratório, em alguns casos é necessário jejum.

Os principais exames são: glicemia (mede a taxa de açúcar no sangue e detecta a diabetes); colesterol total e frações (medem o nível de gordura no sangue); uréia e creatina (avalia a função renal); TGO e TGP (avaliam a função hepática) e hemograma (avalia os glóbulos brancos e vermelhos do sangue e plaquetas).

 

6. Exame de urina

O exame de urina é de fácil coleta onde análise é feita através de um laboratório. Pode detectar problemas nos rins e nas vias urinárias, além de indicar a presença de glicose ou até mesmo sangue na urina. Ele analisa fatores, como pH, densidade, aspecto e presença de elementos anormais. Diversas doenças e problemas de saúde causam alterações que podem ser detectadas pela urina.

 

7. Densitometria Óssea:

É um procedimento que mede a redução da massa óssea da região próxima ao fêmur, podendo detectar a osteoporose e a osteopenia. É um exame rápido que dura cerca de 5 minutos e indolor. Normalmente entra na lista de exames anuais para mulheres a partir dos 60 anos.

 

Previna-se, consulte seu médico anualmente, quanto mais cedo for feito qualquer diagnostico, maior é a chance de cura.

 

Na década de 1990, nasce o movimento conhecido como Outubro Rosa, para estimular a participação da população no controle do câncer de mama. A data é celebrada anualmente, com o objetivo de compartilhar informações sobre o câncer de mama, promover a conscientização sobre a doença, proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

 

CÂNCER DE MAMA

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação de células anormais da mama, que formam um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns tipos têm desenvolvimento rápido enquanto outros são mais lentos.

 

O QUE AUMENTA O RISCO?

O câncer de mama não tem somente uma causa. A idade é um dos mais importantes fatores de risco para a doença (cerca de quatro em cada cinco casos ocorrem após os 50 anos). Outros fatores que aumentam o risco da doença são:

  • Obesidade e sobrepeso após a menopausa;
  • Sedentarismo (não fazer exercícios);
  • Consumo de bebida alcoólica;
  • Exposição frequente a radiações ionizantes (Raios-X);
  • Primeira menstruação antes de 12 anos;
  • Não ter tido filhos;
  • Primeira gravidez após os 30 anos;
  • Não ter amamentado;
  • Parar de menstruar (menopausa) após os 55 anos;
  • Uso de contraceptivos hormonais (estrogênio-progesterona);
  • Ter feito reposição hormonal pós-menopausa;
  • História familiar de câncer de ovário;
  • Casos de câncer de mama na família, principalmente antes dos 50 anos;
  • História familiar de câncer de mama em homens;
  • Alteração genética.

Já o câncer de mama de caráter genético/hereditário corresponde a apenas 5% a 10% do total de casos da doença. Homens também podem ter câncer de mama, mas somente 1% do total de casos é diagnosticado em homens.

 

COMO PREVENIR

Cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com a adoção de hábitos saudáveis como:

  • Praticar atividade física regularmente;
  • Alimentar-se de forma saudável;
  • Manter o peso corporal adequado;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Amamentar

 

SINAIS E SINTOMAS

É importante que as mulheres observem suas mamas sempre que se sentirem confortáveis para tal (seja no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano), sem técnica específica, valorizando a descoberta casual de pequenas alterações mamárias.

Os principais sinais e sintomas do câncer de mama são:

  • Caroço (nódulo) fixo, endurecido e, geralmente, indolor;
  • Pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja;
  • Alterações no bico do peito (mamilo);
  • Pequenos nódulos na região embaixo dos braços (axilas) ou no pescoço;
  • Saída espontânea de líquido dos mamilos

As mulheres devem procurar imediatamente um serviço para avaliação diagnóstica ao identificarem alterações persistentes nas mamas. No entanto, tais alterações podem não ser câncer de mama.

 

DETECÇÃO PRECOCE

O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentando assim as chances de tratamento e cura. Todas as mulheres, independentemente da idade, podem conhecer seu corpo para saber o que é e o que não é normal em suas mamas. A maior parte dos cânceres de mama é descoberta pelas próprias mulheres.

Além de estar atenta ao próprio corpo, também é recomendado que mulheres de 50 a 69 anos façam uma MAMOGRAFIA DE RASTREAMENTO (quando não há sinais nem sintomas) a cada dois anos. Esse exame pode ajudar a identificar o câncer antes do surgimento dos sintomas.

Mulheres com risco elevado para câncer de mama devem conversar com seu médico para avaliação do risco para decidir a conduta a ser adotada.

 

Mamografia diagnóstica

A mamografia diagnóstica, assim como outros exames complementares com finalidade de investigação de lesões suspeitas da mama, pode ser solicitada em qualquer idade, a critério médico. Ainda assim, a mamografia diagnóstica geralmente não é solicitada em mulheres jovens, pois nessa idade as mamas são mais densas, e o exame apresenta muitos resultados incorretos.

Agende sua mamografia, ultrassom ou sua consulta pelo All Doctors e previna-se.