Especialistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmam que cerca de 80% da população brasileira irão sofrer de alguma forma com dores na coluna, sejam elas diariamente ou conforme alguns hábitos praticados despercebidos, dessa forma são de extrema importância agendar uma avaliação com o médico mais indicado para esse tipo de problema, para que você conheça a causa e o quanto está afetando internamente e externamente em sua vida.

 

Confira os hábitos mais prejudiciais à sua coluna:

 

1. Permanecer por muitas horas na mesma posição:

Geralmente passamos horas na mesma posição durante o dia, seja em pé ou sentado trabalhando, ocasionando uma circulação distribuída de forma  debilitada a todo o corpo.


Dica:

Estar atento é essencial para que realize uma pausa ao menos a cada 1 hora, podendo ser um rápido alongamento para aliviar a tensão entre os  músculos, implicando em uma melhoria na postura.

 

2. Utilizar bolsas pesadas:

Normalmente as pessoas utilizam bolsas ou mochilas consideravelmente pesadas, o problema esta na forma em que utilizará, colocando todo o peso em apenas um ombro, sobrecarregando apenas um lado de seu corpo, provocando alterações significantes na coluna e em sua qualidade de vida.

 

Dica:

Certifique a necessidade de todo o peso carregado para que o exagero não te prejudique, logo após verifique e sempre opte por uma mochila que distribua de forma igualitária o peso em seu ombro, caso seja uma bolsa, revezar o peso entre os dois ombros é a sua única opção.

 

3. Posição incorreta durante o sono:

Dormir de forma incorreta durante toda a noite pode acarretar logo pela manhã em desconfortos repentinos, além do cansaço, com isso confira a dica a seguir:

 

Dica:

O primeiro ponto importante é verificar se o colchão está ideal, devendo manter a curvatura natural de sua coluna. Logo após, avalie sua postura, segundo os médicos a posição aconselhada é deitar-se de lado ou de barriga para baixo, mantendo sempre que possível, a cabeça, a coluna e o pescoço de forma alinhada.

 

4. Levantar peso:

Durante certas situações do dia a dia é inevitável não carregar peso, com isso é comum nos esquecermos de que há algumas regras básicas para evitar uma possível dor ao longo do dia.

 

Dica:

Deve-se: Dobrar os joelhos e abaixar-se com a coluna reta, pois o que irá ocasionar um desconforto será ao dobrar a coluna, além de provocar dor, trará problemas no futuro.

 

Dicas para uma boa postura:

  • É importante adquirir o hábito da prática de exercícios regularmente.
  • Reconhecer a necessidade de algumas mudanças ao longo do dia.
  • Atentar-se aos frequentes desconfortos.


Caso todas essas dicas já não sejam o suficiente para uma melhoria das dores apresentadas, é importante direcionar-se ao Fisioterapeuta ou mesmo a um Ortopedista, que são profissionais especializados nesses tipos de ocorrências e irão auxiliar e justamente iniciar um tratamento que trará uma qualidade novamente.

Cuidar dos dentes não é apenas uma questão de estética, mas também de saúde, seu hábito regular propicia uma qualidade de vida significante, dessa maneira a boca deve ser vista como a vitrine da saúde do nosso corpo.

 

O coração possui extrema importância, bombeando o sangue, distribuindo oxigênio e nutrientes para todo o organismo, dessa forma merece atenção para seu bom funcionamento, devendo adotar medidas de prevenções.

 

Afinal, qual a relação?

A saúde Bucal e as doenças cardíacas estão associadas pela disseminação de bactérias devido ao descuido com a limpeza na região Bucal, dessa forma ocorre à manifestação de germes e bactérias, espalhando-se para outras áreas do corpo através da corrente sanguínea.

Onde poderá disseminar-se?

As bactérias ou mesmo os germes se aderem ao músculo do coração, por exemplo, lesionando e causando inflamação. Ou também, poderá provocar acidentes Cardiovasculares.

 

Conheça as doenças mais graves causadas pela má higiene bucal

Gengivite

A gengivite é a inflamação da membrana Gengival, que conforme seu progresso afetam os ossos que sustentam os dentes, formada por uma placa aderente, com isso, uma pessoa que possui a Gengivite ao passar o fio dental ou mesmo na escovação pode ocorrer o sangramento, caindo bactérias em sua corrente sanguínea.

 

Sintomas

  • Vermelhidão
  • Sangramento Gengival
  • Odor desagradável
  • Inchaço

 

Endocardite Bacteriana

Decorrente da Gengivite, a Endocardite Bacteriana é uma doença que causa inflamação na membrana que reveste a parte interna do coração e as válvulas cardíacas.

No caso de má higiene bucal, pode acontecer das mais de 150 milhões de bactérias presentes na saliva caírem na corrente sanguínea, levando a endocardite.

Estima-se que cerca de 150 mil brasileiros sofram do problema anualmente.

 

Sintomas

  • Dor torácica,
  • Perda de peso repentina,
  • Sangue na urina,
  • Febre persistente,
  • Fraqueza,
  • Frequência cardíaca oscilando entre moderada e acelerada,
  • Suor noturno e tosse constante.

 

Quem corre esse risco?

Pessoas que possuírem algum tipo de doença crônica como gengivite ou mesmo aqueles que possuem uma saúde bucal precária, principalmente se ela não for devidamente diagnosticada e possivelmente tratada, irá aumentar consequentemente sua virulência e sua gravidade.

 

Quais as dicas para uma boa higienização Bucal?

  • Escovar os dentes no mínimo 3 vezes ao dia.
  • Usar fio dental diariamente.
  • Usar enxaguante Bucal com flúor, caso recomendado.
  • Uma escova adequada, com cerdas macias e a cabeça pequena para que alcance facilmente todas as áreas da boca, dentes posteriores por exemplo.

Além das dicas essenciais descritas anteriormente, é necessário uma postura Pró Ativa com exames regulares, mantendo seu sorriso saudável, limpo e bonito por toda sua vida.

A pele é o maior órgão do corpo humano e tem como função fazer interação do corpo com o ambiente externo e é ela quem sofre com fatores ambientais.

O Sol e suas radiações podem trazer benefícios, mas também podem ser prejudiciais à pele, e se não tomarmos alguns cuidados diariamente os efeitos podem ser irreversíveis em longo prazo.

Só no Brasil, o câncer de pele atinge milhares de pessoas todos os anos. Segundo a SBD – Sociedade Brasileira de Dermatologia - esse tipo de câncer é considerado o mais frequente no país, correspondendo a 33% dos casos.

Por isso proteger-se do Sol é importante, não só para evitar queimaduras, mas também para prevenção de doenças como o câncer.

 

Problemas causados pelo excesso de exposição ao Sol

Queimaduras

Os raios solares podem provocar queimaduras na pele, e a incidência é maior em pessoas de pele clara. Elas podem ser caracterizadas por vermelhidão ou até bolhas, dependendo do grau, provocando ardência, coceira ou dor no local atingido.

Melasmas

Melasma é caracterizada pelo surgimento de manchas escuras na pele, principalmente, pelo excesso de exposição solar. Normalmente aparecem com mais frequência nas mulheres.

Envelhecimento precoce

A exposição excessiva ao sol sem proteção é capaz de acelerar o envelhecimento da pele. Isso porque, os raios solares danificam as fibras de colágeno e elastina, provocando rugas e manchas.

Acnes

A exposição solar de forma exagerada faz com que a pele produza mais sebo e, assim, fique propícia para o crescimento de bactérias e fungos responsáveis pelo aparecimento das espinhas. Nesses casos, é indicado lavar o rosto com usar um protetor solar sem óleo, como os em gel.

Câncer de pele

A doença é provocada pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Existe mais de um tipo da doença, os mais comuns são os carcinomas basocelulares e os espinocelulares. Mais raro e letal que os carcinomas, o melanoma é o tipo mais agressivo de câncer da pele.

Pintas, lesões elevadas, pintas assimétricas e irregulares ou manchas e feridas que não cicatrizam podem caracterizar o começo de um câncer. É fundamental procurar ajuda médica caso apresente algum desses sintomas.

 

Confira algumas dicas importantes para proteger-se do Sol

  • Usar protetor solar diariamente

A maioria das pessoas só usa protetor solar quando vai à praia, ao clube ou se expor por um período maior. Devemos criar o hábito de usar o protetor todos os dias antes de sair de casa, assim como escovamos os dentes, pois mesmo em dias nublados há exposição aos raios solares.

Lembrando que deve ser reaplicado ao longo do dia, principalmente se fizer atividades que façam transpirar.

 

  • Como escolher o fator ideal do protetor solar

A SBD recomenda um fator mínimo de 30. A pessoa deve escolher o protetor de acordo com tom de pele, por exemplo, quem tem pele clara, se queima mais fácil, é recomendado um FPS de 50 para cima. Se o período de exposição ao Sol for longo, como atividade externa, passeios em clubes ou praias, deve-se escolher um fator acima de 50, mesmo para tons de pele mais escuros.

Lembre-se, para as crianças deve ser usado um protetor solar infantil, pois ele a formulação é adaptada para o tipo de pele mais delicada.

 

  • Acessórios para proteção

É recomendado o uso de acessórios complementares aos protetores, como óculos escuros, bonés, chapéus, sombrinhas e também guarda-sol quando estiver em praias ou em clubes.

 

  • Controle a exposição ao Sol

Entre as 10 e as 14 horas é o período em que a radiação UVB está mais intensa. Atualmente, a maioria dos filtros possui fator contra os raios UVA e UVB, mas nenhum garante 100% de proteção. Portanto, se durante esse horário você estiver na praia, piscina ou até mesmo praticando alguma atividade ao ar livre, o recomendável é não abusar do sol.

Por isso proteger-se do Sol é importante, não só para evitar queimaduras, mas também para prevenção de doenças como o câncer.

 

A enxaqueca (ou migrânea) é um dos mais de 150 tipos de cefaleia, conhecida popularmente como dor de cabeça. É uma dor crônica que tem como característica principal a dor latejante em um ou nos dois lados da cabeça.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, cerca de 15% da população sofre com enxaqueca, atinge 30 milhões de pessoas somente no Brasil, e a prevalência é maior entre as mulheres. A enxaqueca é um dos problemas mais incapacitante do mundo.

A crise de enxaqueca tem um tempo de duração definido, entre quatro horas a três dias. Quando se conhece o que desencadeia as crises, existe um controle maior.

 

Causas

  • Ficar sem comer durante um longo tempo pode gerar uma queda na taxa de açúcar do sangue e provocar a produção de substâncias que causam dor;
  • Preocupações excessivas, ansiedade, tensão e estresse;
  • Dormir mal. Dormir pouco, dormir muito, demorar para pegar no sono, acordar no meio da noite, ir dormir e acordar muito tarde são possíveis desencadeantes de dor de cabeça;
  • Ciclo hormonal. As crises de enxaquecas nas mulheres tendem a ser mais concentradas no período menstrual ou pré-menstrual;
  • A irritabilidade aparece normalmente junto com uma crise de enxaqueca, mas também pode ser um motivo gerador de novas dores;
  • Excesso de cafeína, chocolates, e até mesmo analgésicos que contenham cafeína podem provocar enxaqueca;
  • Falta de exercícios físicos. Realizar exercícios torna o organismo mais saudável e mais resistente à dor;
  • Uso excessivo de analgésicos pode tornar crônica ou piorar a enxaqueca, tornando-a mais resistente e mais frequente;
  • Causas genéticas. Deve-se reconhecer rapidamente a enxaqueca em filhos de pessoas que sofrem com a enxaqueca, para que ela possa ser tratada adequadamente, preventivamente, evitando que as crises apareçam e que a enxaqueca se desenvolva até um estágio crônico.

 

Sintomas

As pessoas que tem enxaqueca costumam apresentar os seguintes sintomas:

  • Dor latejante de um lado da cabeça (pode ser dos dois), de intensidade moderada a forte;
  • Incômodo com a luz e o barulho;
  • Náuseas e perda de apetite;
  • Tonturas e tremores;
  • Podem ocorrer também alterações na vista como pontos luminosos e escuros que antecedem ou acompanham as crises de dor.

 

Tratamento

O tratamento da enxaqueca é divido em tratamento preventivo, para se evitar que venha a dor de cabeça, e o tratamento agudo, para tratar a crise no momento em que ela aparece.

Estes podem ser medicamentosos ou não. É essencial evitar a automedicação o uso excessivo de analgésicos, pois podem interferir no tratamento. Procure um especialista para analisar e indicar um tratamento individualizado.

A lactose é um açúcar encontrado na maioria dos leites e seus derivados, a intolerância à lactose é à incapacidade parcial ou completa de digerir esse açúcar. Isso ocorre quando o organismo não produz, ou produz em pouca quantidade, uma enzima digestiva chamada lactase, que é responsável por quebrar e decompor a lactose.

Esse problema é mais comum do que podemos imaginar, de acordo com pesquisa realizada pelo Datafolha, 35% da população com idade acima de 16 anos, ou seja, cerca de 53 milhões de pessoas, tem algum tipo de desconforto digestivo após a ingestão de alimentos de base láctea. Estima-se que entre 60% a 70% da população mundial apresenta algum nível de dificuldade de digestão dessa enzima.

 

Intolerância x Alergia

Existe diferença entre alergia ao leite e intolerância à lactose. A alergia é uma reação imunológica que está relacionada à proteína do leite de vaca. Normalmente quem é alérgico só descobre após os 6 meses de idade, quando começa a consumir outros leites além do materno.

Segundo especialistas, as crianças que substituem o leite de vaca pelo de soja podem apresentar baixa densidade óssea, pois à absorção do cálcio do leite de soja é menor se comparada ao do leite de vaca. Por isso a importância do acompanhamento médico para o paciente ter uma suplementação correta.

 Os sintomas da alergia normalmente se assemelham a outras reações alérgicas, como coceira, vermelhidão na pele e/ou sibilos (chiados no peido). Às vezes, pode ter sintomas no trato digestivo, como dor abdominal, vômito, e raramente, diarreia.

Já a intolerância à lactose é um distúrbio digestivo associado à baixa ou nenhuma produção de lactase. Os sintomas podem variar de acordo com a maior ou menor quantidade de leite e derivados que são consumidos.

 

3 tipos de intolerância à lactose

Intolerância congênita – Muito rara, ocorre por um problema genético, a criança nasce sem condições de produzir lactase, impedindo o aleitamento materno exclusivo e manifesta-se logo após o nascimento.

Intolerância secundária – a produção de lactase é afetada por doenças  intestinais, como diarreias, síndrome do intestino irritável, doença de Crohn, doença celíaca, ou alergia à proteína do leite, por exemplo. Nesses casos, ocorre deficiência temporária de lactase e pode desaparecer com o controle da doença de base. Também pode ocorrer em bebês prematuros, ainda incapazes de produzir lactase em quantidade suficiente.

Intolerância primária – diminuição natural e progressiva na produção de lactase a partir da adolescência e até o fim da vida (forma mais comum);

 

Sintomas

Os sintomas se concentram no sistema digestório e normalmente melhoram com a interrupção do consumo de produtos lácteos. Os sintomas costumam aparecer minutos ou horas depois da ingestão de leite ou de seus derivados de alimentos que contêm leite em sua composição. Os mais característicos são distensão abdominal, cólicas, diarreia, flatulência (excesso de gases) e náuseas. Crianças pequenas e bebês costumam apresentar perda peso e problemas no crescimento.

 

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por um médico e pode contar com três exames específicos: teste de intolerância à lactose, onde o paciente recebe uma dose de lactose em jejum e, depois de algumas horas, colhe amostras de sangue para medir os níveis de glicose, que permanecem inalterados nos portadores do distúrbio. Esse exame é oferecido gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

No teste de hidrogênio na respiração, o paciente consome uma quantidade pequena e calculada de lactose e posteriormente medem a quantidade de gás hidrogênio na respiração antes e depois do consumo da lactose em intervalos de uma hora. O hidrogênio é medido porque as bactérias intestinais produzem hidrogênio ao digerir a lactose não absorvida.

 

Tratamento

A intolerância à lactose pode ser controlada com dieta, evitando o consumo de alimentos que contenham lactose. Inicialmente é proposto suspender a ingestão de leite e derivados para alívio dos sintomas. Depois, esses alimentos devem ser reintroduzidos aos poucos, com iogurte, por exemplo, pois contém lactase naturalmente, produzida por lactobacilos ou queijo que contém quantidades menores de lactose que o leite, até identificar a quantidade máxima que o organismo suporta sem manifestar sintomas. Essa conduta terapêutica tem como objetivo manter a oferta de cálcio na alimentação. Suplementos com lactase e leites com baixo teor de lactose também são indicados, quando a quantidade de leite ingerido for insuficiente.

 

Recomendações

  • O leite não deve ser totalmente abolido da dieta;
  • É importante ler os rótulos dos alimentos para saber qual é a sua composição;
  • Leite de soja, de arroz, de aveia não contém lactose;
  • Existem outras fontes de cálcio como verduras de folhas verdes, brócolis, couves, agrião, couve-flor, espinafre, assim como feijão, ervilhas, tofu, salmão, sardinha, mariscos, amêndoas, nozes, gergelim e ovos;
  • Comer moderadamente de tudo um pouco é a melhor forma de ingerir os nutrientes necessários para a saúde e bem-estar.