Sinusite é uma inflamação da mucosa dos seios da face, região do crânio formada por cavidades ósseas ao redor do nariz, maçãs do rosto e olhos. A doença pode ser secundária a uma infecção, quadro alérgico ou qualquer fator que atrapalhe a correta drenagem de secreção dos seios da face. O nome mais utilizado para esse problema é rinossinusite, pois o processo inflamatório atinge tanto a mucosa dos seios da face como a mucosa nasal.

 

Tipos

Existem dois tipos:

  • Aguda: quando os sintomas estão presentes por um período inferior a 12 semanas
  • Crônica: quando o inchaço e a inflamação dos seios nasais estão presentes por mais de 12 semanas.

 

Causas

A sinusite tanto pode ser causada por agentes infecciosos, como bactérias, fungos e vírus, quanto por fatores alérgicos. Poeira, choque térmico e cheiros ativos são listados como desencadeadores da rinopatia alérgica. Exposição a determinados agentes químicos e alterações na anatomia nasal ou dos seios da face fazem parte do outro grupo de responsáveis pela sinusite. Há ainda, casos mais raros que levam à sinusite, como a presença de um tumor.

 

Sintomas de Sinusite


Os sinais e sintomas da sinusite crônica não são tão semelhantes à sinusite aguda, pois nos quadros crônicos a tosse é um dos sintomas mais frequentes e a febre raramente está presente. Isso porque a sinusite aguda é uma infecção temporária dos seios muitas vezes associada a um resfriado. Já a rinossinusite crônica corresponde a um processo inflamatório com duração prolongada (maior que 12 semanas) podendo ainda ser classificada em rinossinusite crônica com polipose e rinossinusite crônica sem polipose. Para o diagnóstico de rinossinusite crônica devemos ter dois ou mais dos seguintes sinais:

Obstrução nasal ou secreção nasal associados a pelo menos um dos sintomas:

  • Pressão ou dor facial
  • Redução ou perda do olfato
  • Associado a alterações tomográficas ou evidenciadas por exame de videonasofibroscopia
  • Com duração maior que 12 semanas.

Outros sinais e sintomas podem incluir:

  • Dor de ouvido
  • Dores no maxilar superior e dentes
  • Tosse, que pode ser pior durante a noite
  • Garganta inflamada
  • Mau hálito (halitose)
  • Fadiga ou irritabilidade
  • Náusea.

 

Na consulta médica


Especialistas que podem diagnosticar a sinusite são:

  • Otorrinolaringologista
  • Clínico geral
  • Pediatra

 

A insônia é um distúrbio persistente que prejudica a capacidade de uma pessoa adormecer ou, ainda, de permanecer dormindo durante toda a noite. Pessoas com insônia geralmente começam o dia já se sentindo cansadas, têm problemas de humor e falta de energia e têm o desempenho no trabalho ou nos estudos prejudicado por causa deste distúrbio. A qualidade de vida da pessoa, em geral, costuma ficar comprometida pela insônia. Algumas pessoas têm insônia crônica, que pode perdurar por um período de tempo muito maior do que o normal.

 

Causas

  • Estresse
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Condições médicas
  • Mudança no ambiente ou horário de trabalho
  • Maus hábitos de sono
  • Medicações
  • Cafeína, nicotina e álcool
  • Comer muito tarde
  • Idade

 

Fatores de risco

Muitas pessoas podem apresentar um quadro de insônia ocasionalmente. Mas o risco de insônia é maior em:

 

  • Pessoas do sexo feminino. As mulheres são muito mais propensas a sofrer de insônia, principalmente por causa de mudanças hormonais durante o ciclo menstrual e na menopausa. A insônia também é comum com a gravidez.
  • Pessoas acima dos 60 anos de idade, devido principalmente às alterações nos padrões de sono e a problemas de saúde.
  • Pessoas com algum distúrbio de saúde mental, como depressão, ansiedade, transtorno bipolar e o transtorno de estresse pós-traumático são mais propensas a apresentar insônia.
  • Pessoas sob estresse. Fatos estressantes podem causar insônia temporária
  • Trabalhar à noite ou viajar a trabalho, que envolva trocas frequentes de fuso horário.

 

Sintomas de Insônia

Os principais sintomas de insônia podem incluir:

  • Dificuldade para adormecer à noite
  • Despertar durante a noite
  • Despertar muito cedo
  • Não se sentir descansado após uma noite de sono
  • Cansaço ou sonolência diurna
  • Irritabilidade, depressão ou ansiedade
  • Dificuldade para prestar atenção, concentrar-se em tarefas ou se lembrar de alguma coisa importante
  • Aumento do risco de acidentes
  • Dores de cabeça localizadas
  • Problemas gastrointestinais
  • Preocupações contínuas com o sono
  • Na consulta médica

 

Entre as especialidades que podem diagnosticar insônia estão:

  • Clínica médica
  • Neurologista
  • Medicina do sono
  • Psiquiatria

 

Prevenção

Manter bons hábitos de sono é o principal e único meio de se evitar insônia. Alguns fatores desencadeadores do distúrbio, como eventos estressantes e traumáticos, no entanto, não podem ser evitados. Em todo caso, consulte um especialista do sono e um psiquiatra para aprender a lidar com a manutenção do sono.

 

 

 

No frio, à medida que o ar fica seco e frio, ele torna-se carregado com partículas de poeira e poluição e o nosso sistema respiratório precisa trabalhar mais. Com o inverno nos mantemos mais dentro de casa e o maior contato com germes é a receita perfeita para um resfriado. As pessoas se concentram mais em locais fechados, o que facilita a propagação de vírus e bactérias que causam inúmeras doenças. O pneumologista Ciro Kirchenchtejn esclarece várias questões sobre as doenças mais comuns no inverno, como gripe, resfriado, amidalite, asma, otite, bronquite, pneumonia, rinite, sinusite e alergias.

 

Gripe – é causada pelo vírus influenza e, além dos sintomas do resfriado, causa febre alta e abrupta, dores no corpo e fadiga. Pode provocar complicações se não for diagnosticada e tratada corretamente. O tratamento é feito com analgésicos, antitérmicos, repouso e hidratação.

  • Evitando: vacinando contra a gripe, especialmente se você se enquadra em um "grupo de risco", que inclui idosos, mulheres grávidas e pessoas com doenças crônicas. Embora a vacina não proteja contra todos os tipos de vírus, ela pode reduzir o risco de contrair a gripe, lavar bem as mãos e o nariz, evitar aglomerações.

 

Resfriado – gripes e resfriados têm sintomas semelhantes, embora sejam doenças diferentes. O resfriado geralmente dura de quatro a cinco dias, mas pode se prolongar por até duas semanas, causando coriza, obstrução das vias respiratórias, febre baixa, espirros e dor de garganta. O tratamento alivia os sintomas e é feito com analgésicos e antitérmicos.

  • Evitando: a melhor maneira de evitar qualquer infecção é lavar as mãos regularmente, desinfetar as superfícies mais comumente tocadas, manter a boa saúde com boa alimentação, atividade física regular e sono adequado.

 

Amidalite – causada por vírus ou bactérias, é uma inflamação das amídalas que causa dor de garganta e ao engolir, mau hálito e febre. O tratamento é feito com anti-inflamatórios.

  • Evitando: Além de um estilo de vida mais saudável, se aconselha que as pessoas cuidem da higiene pessoal, lavando bem as mãos e cobrindo a boca com lenço ou com a dobra do braço ao tossir. Também é importante evitar contato com alguém que esteja em crise.

 

Asma – inflamação dos pulmões e vias aéreas. Mais comum em crianças, embora também acometa adultos. Os sintomas são chiados no peito, tosse e sensação de falta de ar. O tratamento é feito com broncodilatador e deve-se eliminar a poeira doméstica para a prevenção da doença.

  • Evitando: fique longe de fumantes e pessoas com resfriados, coma muita fruta e vegetais frescos, tenha uma atividade física regular e use medicamentos antialérgicos recomendados por um médico.

 

Otite – causada por vírus ou bactérias que infectam a garganta e migram até o ouvido provocando dor e febre, é bastante comum em crianças. O tratamento é feito com antibióticos e analgésicos.

  • Evitando: não deixe que os sintomas da congestão nasal se estendam por um longo tempo. Proteja os seus ouvidos contra o vento frio, com lenços chapéus e casacos para prevenir infecções de ouvido

 

Bronquite – inflamação dos brônquios, o que impede a chegada do ar aos pulmões. Causa tosse seca com chiado seguida de tosse com catarro. O tratamento: utilização de vaporizadores, analgésicos, descongestionantes nasais e hidratação.

  • Evitando: para prevenir-se da doença, o cigarro deve ser evitado.

 

Pneumonia – infecção aguda dos pulmões que pode ser causada por bactérias, vírus ou fungos. Pode surgir após uma gripe ou crise de bronquite severas. O tratamento é feito com antibióticos.

  • Evitando: tome a vacina contra a gripe, pois esta é a causa comum da pneumonia. A vacina pode ajudar na proteção. Fique longe de amigos ou familiares que estão doentes e evite fumaça de cigarro.

 

Rinite – causada por irritação ou inflamação da mucosa do nariz, é uma das doenças alérgicas mais comuns. Causa espirros, coriza, coceira e entupimento do nariz. O tratamento é feito com medicamentos e vacinas antialérgicas.

  • Evitando: é aconselhável manter o ambiente limpo.

 

Sinusite – é a inflamação dos seios nasais, que são cavidades no crânio em torno do nariz. Provocada por alergias ou infecções por vírus ou bactérias, causa dor de cabeça, pálpebras inchadas, nariz entupido, secreção nasal e dor nos olhos. O tratamento pode ser feito com corticoides, descongestionantes e antibióticos no caso de infecção bacteriana.

  • Evitando: comer frutas e vegetais embalados com antioxidante em abundância, evitar o fumo e os poluentes, beber muitos líquidos e considerar o uso de um umidificador.

​​​​​​​

Alergias – são causadas por reações do organismo a diversos elementos, como pelos de animas, mofo, poeira, perfumes etc. Causam inúmeros sintomas, como espirro, coceira e tosse. O tratamento é específico para cada caso.

  • Evitando: prevenção pode ser feita mantendo os ambientes ventilados, limpos e evitando o contato com substâncias que podem desencadear alergia.

 

Importante não se automedicar, procure um especialista e mantenha suas vacinas em dia. Sua saúde vale Ouro. 

 

 

A doação é a retirada de aproximadamente 450 mL de sangue, através de inserção de uma agulha em um dos braços. A coleta é feita sob supervisão de um médico ou enfermeiro. Em ambiente limpo e confortável. Todos os processos da doação de sangue levam em torno de 55 minutos. Doar sangue não dói, nem prejudica a sua saúde.   

Porque se tornou tão importante doar sangue? O sangue é um tecido vivo que circula pelo corpo, essencial à vida. Doar sangue é um ato simples, tranquilo e seguro que não provoca risco ou prejuízo à saúde. O sangue não se fabrica artificialmente, o sangue doado não ultrapassa 10% do volume em circulação no corpo. Doar sangue é uma atitude necessária, de solidariedade, cidadania e amor.

Orientações preliminares ao doador de sangue:

Antes da doação você passará por um processo de pré - triagem (verificação de sinais vitais) e uma entrevista individual;

Se você estiver com algum problema de saúde ou apresentando sintomas como perda de peso, manchas na pele, caroços pelo corpo (ínguas), feridas na boca, não doe sangue e procure um médico

 

Tipos de doação

  • Doação Espontânea: feita de modo altruísta, como uma atitude solidária com um único interesse: ajudar o próximo.
  • Doação vinculada: feita vinculada á algum paciente*.
  • Doação autóloga: doar para si mesmo.

 

O que é necessário para doar?

  • Ter idade entre 18 e 69 anos, 11 meses e 29 dias
  • Doadores com idade de 16 e 17 anos de idade, são aceitos para doação mediante a presença e autorização formal dos pais e/ou responsável legal
  •  O limite de idade para primeira doação é de 60 anos
  • O candidato à doação deve estar em boas condições de saúde, sem feridas ou machucados no corpo
  •  Pesar acima de 50 kg
  • Apresentar documento de identidade com foto
  • Ter repousado bem na noite antes da doação
  • Evitar o jejum. Fazer refeições leves e não gordurosas, nas 4 horas que antecedem a doação
  • Evitar uso de bebidas alcoólicas nas últimas 12 horas

 

Cuidados após a doação

  • Não fumar por 2 a 3 horas
  • Não praticar exercícios físicos e atividades perigosas, como subir em locais altos ou dirigir caminhão, ônibus em rodovias, por 12 horas.
  • Permanecer no serviço hemoterápico após a doação, por 15 minutos
  • Retirar o curativo 4 horas após a doação.

 

Quem não é apto a doação?

Pessoas que tiveram as seguintes doenças : Hepatite após os 11 anos de idade, Lepra (Hanseníase), Hipertireoidismo e tireoidite de Hashimoto, Doença auto-imune, Doença de Chagas, AIDS, Problemas cardíacos, Diabetes,Câncer.

 

Outras situações:

  • Fez ou faz uso de algumas drogas ilícitas nos últimos 12 meses
  • Gestantes ou mulheres que amamentam bebês com menos de 12 meses
  • Teve contato sexual com parceiro ocasional/eventual nos últimos 12 meses
  • Quem fez algum tipo de procedimento dentário - de 1 a 30 dias (de acordo com o procedimento);
  • Quem recebeu transfusão de sangue e ou parceiros (as) de pacientes que receberam sangue ou fazem hemodiálise – 1 ano;
  • Tatuagem, micropigmentação, maquiagem definitiva e piercing - de 6 meses à 1 ano
  • Piercing em cavidade oral ou região genital - 1 ano após a retirada
  • Tiver algum desses sintomas (gripe, tosse, dor de garganta, rinite, febre, resfriado) – 7 dias após a cura
  • Diarreia – 1 semana após último episódio
  • Tiver alguma infecção não tratada ou em tratamento – 15 dias após cura
  • Herpes labial – após a cicatrização total da lesão
  • Aborto ou parto normal – 3 meses
  • Cesárea – 6 meses
  • Amamentação – liberado quando a criança tiver 1 ano
  • Cirurgia – pode variar de 1 à 12 meses
  •  Doenças em geral - passará por avaliação na triagem
  • Quem tomou as seguintes vacinas : Brucelose, Cólera, Coqueluche, Difteria, Febre tifóide, Hemophillus influenzae, Hepatite A, Hepatite B recombinate, HPV, Influenza H1N1, Leptospirose, Meningite, Peste, Pneumoco, Pólio (Salk) e Tétano – 48 horas;
  • BCG, Caxumba, Febre amarela, Influenza, Pólio oral (Sabin), Rubéola, Sarampo, Varicela e Varíola – 4 semanas
  • Raiva após exposição com animal – 1 ano
  • Antibiótico: apto após 15 dias do uso e com cura da infecção
  •  Quem teve convulsão só poderá doar sangue após 3 anos da última crise e término do tratamento medicamentoso.

 

Etapas da doação

  • 1º Passo – Recepção e cadastro

Apresentação de documento expedido por órgão oficial com foto (RG, CNH, Carteira de Trabalho, etc)
Atualização de endereço, trabalho, etc.

  • 2° Passo – Pré-triagem

Peso, altura, verificação de pressão arterial, pulso e temperatura;
Uma "picadinha" no dedo para verificar seu hematócrito e/ ou hemoglobina;

  • 3° Passo – Entrevista clínica

É confidencial e o sigilo é absoluto – confie em seu entrevistador e seja sincero;
Você assinará um Termo de Consentimento onde refere ter entendido as informações recebidas, ter respondido com sinceridade ao questionário, concorda com a coleta de sangue e afirma que está ciente de que se houver resultados sorológicos alterados, será chamado pelo serviço de apoio ao doador;

  • 4º Passo – Coleta de sangue

Será realizada a coleta de 450 ml ± 45ml e amostras de sangue para exames obrigatórios por lei;

  • 5º Passo – Lanche

É fornecido lanche acompanhado por líquidos, para repor o volume retirado na doação. Em casa ou no trabalho continue ingerindo bastante líquido.
Observe o que acontece com o sangue doado
Após a coleta, o sangue é separado em seus componentes dentro de 6 a 8 horas, no setor de processamento;

Cada componentes do sangue tem uma finalidade:

Glóbulos vermelhos – servem para tratar anemias;
Plasma (parte líquida do sangue) – serve para tratar hemorragias. Parte do plasma é encaminhado para indústrias que produzem fatores de coagulação, utilizados para tratar hemofílicos;
Plaquetas – servem para tratar ou evitar sangramentos, e em pessoas que fazem quimioterapia.

Doe SANGUE, Doe VIDAS. 

Conhecido como cobreiro a herpes-zóter triplicou em uma década, afetando o público mais idoso. Afeta o nervo da face chamado nervo oftálmico. Ele é causado pelo vírus Varicella zostes, o mesmo da catapora. Tendo possibilidade de 50% de chances de ter a doença na faixa dos 80 anos por terem um sistema imunitário enfraquecido ou pessoas que já tiveram catapora.

Quais os primeiros sintomas?

  • Formigamento e manchas vermelhas na testa
  • Erupção com bolhas, podendo atingir testa e nariz
  • Dormência
  • Inchaço ao redor dos olhos
  • Problema de visão
  • Dor de cabeça
  • Perda de apetite
  • Sensação de mal-estar
  • Febre

Diagnóstico

Pode se identificar pelas erupções cutâneas. Porém pode se diagnosticar com exames de sangue.

Sendo diagnosticado seu tratamento deve ser tratado com urgência, pois pode causar problemas de visão permanentes, como a cegueira. Pessoas com sistema imunológico enfraquecido podem desenvolver complicações após a contração do vírus, são elas: Cicatrização no olho, glaucoma e perda de visão.

Sendo assim, quais são as formas de tratamento?

A forma mais recomendada é o medicamentos antivirais, sendo alguns casos por via intravenosa. É necessário uso de colírio que combatem esteroides, medicamentos anti-inflamatórios e evitar coçar a erupção cutânea.

Prevenção

A prevenção seria manter as vacinas em dia, principalmente contra a varicela, o que pode prevenir e reduzir a gravidade dos casos.