Foi realizado um levantamento da prevalência de casos de Giardíase em uma determinada creche no Brasil, identificando uma porcentagem maior que 50% de crianças acometidas pelo parasita Giárdia.
Os parasitas intestinais humanos apresentam-se como um problema sanitário, considerando um elevado aumento de pessoas acometidas, apesar das crianças entre 2 a 5 anos de idade ser o foco da doença, houve um aumento nos casos de adultos também, ocasionando alterações graves no metabolismo.

O que caracteriza essa doença e quais são os sintomas?

A Giardíase é caracterizada por uma infecção intestinal por um parasita microscópico, podendo ou não apresentar sintomas, em casos que não apresentam alterações o parasita permanece no intestino, ocasionando sintomas tardios, casos que são caracterizados por sintomas logo após a contaminação, são caracterizados por:

  • Má absorção de alimentos
  • Náuseas
  • Perda de peso
  • Cólicas abdominais seguidas de diarreias

Dependerá de cada indivíduo os sintomas persistentes, podendo variar de duas a quatro semanas.

Mas afinal, como posso adquiri-la?

A Giardíase pode ser adquirida pela ingestão de cistos maduros, pelas seguintes formas:

  • Alimentos não higienizados corretamente
  • Ingerir água contaminada
  • Contaminação de pessoa para pessoa através de mãos contaminadas
  • Frequentar locais contaminados sem o conhecimento, como: lagos, rios, riachos.

Pessoas vulneráveis à doença

  • Crianças são mais propiciais a entrarem em contato com fezes contaminadas, ainda mais se utilizam fraldas, além de frequentarem banheiros infantis que podem estar contaminados, colocando os próprios profissionais em risco.
  • Indivíduos que não possuem saneamento básico de vida adequado são afetados diariamente, tanto pela ingestão de água contaminada, quanto pela falta do conhecimento da doença, contaminando-se acidentalmente em lagos e rios por exemplo.

Diagnóstico

O médico irá investigar os sintomas apresentados, logo irá solicitar exames de fezes para a comprovação de sua suspeita, além de realizar exames físicos para identificar alguns inchaços no corpo do paciente identificando desidratação, além de relacionar atividades e lugares frequentados nas últimas semanas.

Tratamento

Nesse caso é de extrema importância seguir corretamente as orientações médicas para que a infecção não volte e não haja o perigo de contaminar outras pessoas, dependendo do caso o médico irá prescrever antibiótico ou mesmo um antiparasitário, sem interromper a medicação ou aumentar a dose.

Dicas para prevenção

Mantenha-se sempre atento aos sinais que seu corpo apresenta, em caso de sintomas citados acima procure um médico o mais rápido possível, dentre as dicas atente-se:

  • A lavagem das mãos é a forma mais simples e eficiente para evitar as infecções em gerais, além do uso aconselhado do álcool em gel, antes e após atividades do dia a dia.
  • Certifique-se que a água ingerida no seu cotidiano passou pelo tratamento adequado para seu consumo.
  • Evite locais com antecedências de contaminação de água pelo parasita
  • Estar atento às atividades praticadas pela criança é de extrema importância para evitar esta infecção.

 

Especialistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmam que cerca de 80% da população brasileira irão sofrer de alguma forma com dores na coluna, sejam elas diariamente ou conforme alguns hábitos praticados despercebidos, dessa forma são de extrema importância agendar uma avaliação com o médico mais indicado para esse tipo de problema, para que você conheça a causa e o quanto está afetando internamente e externamente em sua vida.

 

Confira os hábitos mais prejudiciais à sua coluna:

 

1. Permanecer por muitas horas na mesma posição:

Geralmente passamos horas na mesma posição durante o dia, seja em pé ou sentado trabalhando, ocasionando uma circulação distribuída de forma  debilitada a todo o corpo.


Dica:

Estar atento é essencial para que realize uma pausa ao menos a cada 1 hora, podendo ser um rápido alongamento para aliviar a tensão entre os  músculos, implicando em uma melhoria na postura.

 

2. Utilizar bolsas pesadas:

Normalmente as pessoas utilizam bolsas ou mochilas consideravelmente pesadas, o problema esta na forma em que utilizará, colocando todo o peso em apenas um ombro, sobrecarregando apenas um lado de seu corpo, provocando alterações significantes na coluna e em sua qualidade de vida.

 

Dica:

Certifique a necessidade de todo o peso carregado para que o exagero não te prejudique, logo após verifique e sempre opte por uma mochila que distribua de forma igualitária o peso em seu ombro, caso seja uma bolsa, revezar o peso entre os dois ombros é a sua única opção.

 

3. Posição incorreta durante o sono:

Dormir de forma incorreta durante toda a noite pode acarretar logo pela manhã em desconfortos repentinos, além do cansaço, com isso confira a dica a seguir:

 

Dica:

O primeiro ponto importante é verificar se o colchão está ideal, devendo manter a curvatura natural de sua coluna. Logo após, avalie sua postura, segundo os médicos a posição aconselhada é deitar-se de lado ou de barriga para baixo, mantendo sempre que possível, a cabeça, a coluna e o pescoço de forma alinhada.

 

4. Levantar peso:

Durante certas situações do dia a dia é inevitável não carregar peso, com isso é comum nos esquecermos de que há algumas regras básicas para evitar uma possível dor ao longo do dia.

 

Dica:

Deve-se: Dobrar os joelhos e abaixar-se com a coluna reta, pois o que irá ocasionar um desconforto será ao dobrar a coluna, além de provocar dor, trará problemas no futuro.

 

Dicas para uma boa postura:

  • É importante adquirir o hábito da prática de exercícios regularmente.
  • Reconhecer a necessidade de algumas mudanças ao longo do dia.
  • Atentar-se aos frequentes desconfortos.


Caso todas essas dicas já não sejam o suficiente para uma melhoria das dores apresentadas, é importante direcionar-se ao Fisioterapeuta ou mesmo a um Ortopedista, que são profissionais especializados nesses tipos de ocorrências e irão auxiliar e justamente iniciar um tratamento que trará uma qualidade novamente.

 

 

 

O que é a Sífilis?

A Sífilis é ocasionada por uma Infecção Bacteriana, sendo considerada uma DST (Doença Sexualmente Transmissível), o aumento tem preocupado especialistas, que alertam um crescimento significante na ocorrência dessa doença.

No ano de 2010 foram registrados 1249 casos de sífilis adquirida. Em 2015, esse número subiu para 65.878, um aumento de mais de 5.000%, e chegou em 87.593 casos em 2016, segundo o Ministério da Saúde.

Nos casos de sífilis congênita (transmitida da mãe para o bebê durante a gestação ou parto), o número de casos passou de 3.356 em 2016 para 4.139 casos em 2017, um aumento de 23,33%.

 

Há várias manifestações clínicas e diferentes estágio, dentre:

Estágio Primário

  • Geralmente ocasionada por feridas, sem apresentar coceira ou algum tipo de dor, porém pode estar acompanhada de ínguas na virilha, manifestando-se após 10 a 90 dias do contágio.

Estágio Secundário

  • Ocorre a cicatrização da ferida inicial, podendo aparecer manchas pelo corpo todo, sendo muitas vezes confundidas com alergias comuns, que desaparecerão sem tratamento algum. Consequentemente das manifestações, o indivíduo apresentará febre, mal-estar e dores de cabeça.

Estágio de Latência

  • Considerada uma fase assintomática, ou seja, sem sinais ou sintomas, tendo como uma única maneira de constatar a Sífilis: realizando testes Imunológicos.

Estágio Terciário

  • Fase caracterizada por lesões cutâneas, cardiovasculares, neurológicas ou ósseas, podendo ter início prolongado por anos.

 

Como é transmitida?

A Sífilis é transmitida por meio de relação sexual desprotegida com o indivíduo contaminado, ou mesmo, durante a gestação ou parto, acometendo o bebê.

 

Quais são os sintomas?

Caracterizados por dores nos músculos, acompanhados de fadigas e dores de cabeça, além dos sintomas característicos de cada fase citado acima, ou seja, logo em diante não há mais sintomas, podendo assim ocorrer anos mais tarde, acarretada de danos em nossos órgãos.

 

Como é feito o diagnóstico?

O médico irá suspeitar conforme o relato do paciente, dessa maneira solicitará exames específicos, como exemplo os Testes Rápidos para a Sífilis desenvolvidos para a confirmação ou não da doença, assemelham-se bastante com os testes de gravidez e estimam 30 minutos para o resultado preciso.

O diagnóstico pode ser realizado com a identificação da ferida inicial seguido de irritações na pele.

 

Tratamento

A sífilis é tratada com antibiótico, sendo sempre necessário consultar um médico para que aconselhe o tratamento que possua resultados rápidos e eficientes, além de individualizados.

 

Principal prevenção

Manter as relações sexuais sempre protegidas através do uso da camisinha, que irá possibilitar a prevenção de todas as DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis).

 

 

 

As mulheres produzem desde o útero materno os hormônios sexuais estrogênio e progesterona, e quando elas entram na puberdade esses hormônios são produzidos em grandes quantidades.

Hoje em dia as meninas tem sua primeira menstruação por volta dos 12 ou 13 anos e se mantém até os 45 ou 55 anos, quando tem início a menopausa, que pode acontecer antes dessa idade, quando é denominada como menopausa precoce ou após os 55 anos quando é chamada menopausa tardia.

A menopausa é caracterizada após 12 meses consecutivos sem menstruar. Isso acontece porque os ovários interrompem a produção dos hormônios. Antes de parar totalmente a menstruação, normalmente a mulher apresenta oscilações entre os ciclos e começa demonstrar sintomas, esse período de transição até a menopausa é chamado de climatério.

 

Sintomas

  • Ondas de calores extremos;

  • Alterações no ciclo menstrual;

  • Sudorese;

  • Insônia;

  • Ressecamento da pele e vaginal;

  • Diminuição ou perda de libido;

  • Perda de massa óssea (osteoporose);

  • Aumento do risco cardiovascular;

  • Tendência a desenvolver depressão.

 

É importante procurar um profissional ginecologista para acompanhar a alteração hormonal. Caso apresente sintomas de depressão o ideal é buscar ajuda de um psicólogo.

 

Diagnóstico

O diagnóstico da menopausa é constado pela mulher quando tem sintomas que ocorrem no climatério, sendo o principal a interrupção ou alteração na menstruação.

Normalmente quando apresentam os sintomas, as mulheres buscam ajuda de um profissional para então diagnosticar se de fato entrou na menopausa. É comum o médico solicitar exames hormonais para confirmação.

 

Tratamento

O tratamento para a menopausa tem variações de acordo o paciente. Por isso, é necessário avaliar as condições físicas de cada um para escolher o tratamento adequado para cada mulher.

A terapia de reposição hormonal é o tratamento mais comum, pode diminuir em até 75% os sintomas de ondas de calor. É feito através da reposição do estrógeno ou combinado com a progesterona. Esse método pode ser realizado através de comprimidos, adesivos ou géis, dependendo da indicação que é feita pelo médico.

É indicado que o paciente busque um profissional para indicar o melhor tratamento, pois ele avaliará se existe contra indicações, como exemplo casos de câncer de mama, de endométrio e trombose no histórico familiar.

 

Hábitos saudáveis podem amenizar os sintomas, confira:

Pesquisas mostram que um estilo de vida saudável, com alimentação balanceada e a prática de exercícios podem aliviar os sintomas do climatério.

Evitar o tabagismo, pois além de doenças respiratórias ele pode antecipar a ocorrência da menopausa em um a dois anos.

O consumo de alimentos ricos em cálcio pode ajudar a minimizar a chance de osteoporose, que pode vir acontecer em decorrência da menopausa.

 

Conheça alguns mitos e verdades sobre a menopausa

 

Se a mulher teve a primeira menstruação cedo, a última delas vai ser cedo também?

Mito. A única relação é genética, sendo assim, período em que a paciente vai entrar na menopausa pode ser parecido com o que a mãe passou.

 

O tratamento de reposição hormonal reverte sintomas do climatério?

Verdade. A terapia hormonal segundo especialistas é o mais eficaz. Ajuda melhorar a pele, proteger os ossos e o coração, além de diminuir a secura vaginal.

 

Podem ocorrer sangramentos durante o tratamento de reposição hormonal?

Verdade. Pode ser um efeito colateral quando ainda está avaliando a dosagem certa. Esse efeito tente a melhorar com o tempo de uso do medicamento.

 

A mulher que tomou pílula anticoncepcional por um longo tempo demora mais para entrar na menopausa?

Mito. O anticoncepcional não influencia na data de início do climatério e da menopausa.

A Infecção do Trato Urinário é conhecida popularmente como infecção urinaria.  Essa é a infecção mais comum que existe e é causada por uma infecção bacteriana que pode ocorrer em qualquer parte do sistema urinário, como bexiga, rins e uretra. É mais comum na parte inferior do trato urinário, na bexiga e a uretra.

Afeta principalmente as mulheres entre os 20 e 40 anos e as grávidas. Pelo menos 30% das mulheres vão ter a infecção em algum momento. Nos homens acontece com mais frequência na infância e depois dos 55 anos.

 

A infecção é dividida em 3 tipos, confira as causas e os sintomas de cada uma.

 

Cistite: Infecção na bexiga        

A cistite é a infecção bacteriana na bexiga ou no trato urinário inferior. Acontece quando as bactérias passam pela uretra e chegam até a bexiga. Causada por um tipo de bactéria chamada Escherichia coli. A relação sexual também pode levar à cistite, mas você não precisa ser sexualmente ativo para desenvolvê-la.

Sintomas:

  • Vontade frequente de urinar, mas em pouca quantidade;
  • Ardência e dor ao urinar;
  • Presença de sangue na urina;
  • Urina turva com cheiro intenso e desagradável;
  • Dor abdominal ou sensação de peso no fundo da barriga;
  • Febre de 37,5 a 38ºC.

 

Uretrite: Infecção na uretra

É na inflamação ou infecção da uretra, o canal que transporta a urina da bexiga para fora do corpo. São causadas por bactérias do trato gastrointestinal, mas pelo fato da uretra nas mulheres estar mais próxima da vagina, algumas infecções como herpes, gonorreia e infecção por clamídia também podem levar à uretrite. Normalmente acomete mais os homens do que as mulheres.

Sintomas:

  • Dor ou ardor para urinar;
  • Secreção;
  • Urinar com frequência e urgência;
  • Nos homens pode causar dor durante o ato sexual.

 

Pielonefrite: infecção nos rins

A infecção renal (pielonefrite) é um tipo de infecção do trato urinário que geralmente começa na uretra ou bexigas e em casos mais graves acaba chegando aos rins. Se não for tratado adequadamente, pode prejudicar permanentemente seus rins ou pode se espalhar e causar uma infecção mais grave, já que pode chegar até a corrente sanguínea. Pode ser decorrente de uma cistite mal tratada.

Sintomas:

  • Dor forte na região da barriga, lombar ou virilha;
  • Dor ou queimação ao urinar;
  • Presença de pus ou sangue na urina;
  • Vontade frequente para urinar;
  • Calafrios e febre acima de 38,5º C;
  • Pode ter enjoo e vômitos.

 

Sintomas de infecção urinária no bebê

Nas crianças mais novas ou nos bebês os sintomas podem ser diferentes como:

  • Irritabilidade frequente;
  • Diminuição do apetite;
  • Choro ao urinar;
  • Urina com cheiro intenso e com cor mais escura;
  • Febre acima de 37,5ºC.

 

Tratamento

O tratamento varia de acordo com o tipo de cada infecção e sua gravidade. Geralmente, o tratamento é feito à base de antibióticos. Mas o médico também poderá receitar analgésicos para aliviar a dor e a ardência ao urinar. Também pode variar de acordo com a frequência que o paciente apresenta esses quadros de infecções.

 

Caso sinta algum sintoma, procure imediatamente um médico urologista, ginecologista ou um clínico geral para identificar e tratar corretamente.