Para entendermos melhor o que é diabetes, devemos saber qual é a função da glicose e da insulina em nosso organismo.

A glicose é um carboidrato presente em alguns tipos de alimentos. A principal função dela é fornecer energia aos organismos a fim de suprir suas necessidades.

A insulina é um hormônio produzido no pâncreas e a sua principal função é a de facilitar a absorção da glicose pelas nossas células, diminuindo, a concentração de glicose no sangue.

Podemos concluir então que, se não houver esse hormônio, não haverá absorção de glicose nas células, elevando o nível de glicose no sangue, originando a diabetes.A diabetes gestacional pode trazer complicações à saúde da mulher e do bebê. Entre seus desdobramentos, estão prejuízos aos rins e hipertensão.

Vejamos alguns fatores que levam a desenvolver a diabetes gestacional: Acontece que quando a mulher precisa ingerir uma quantidade maior de carboidratos que, seriam em torno do último trimestre de gravidez para o desenvolvimento da criança, acaba liberando outros hormônios pela placenta o que acaba atrapalhando esse processo e obriga o pâncreas, trabalhe dobrado para manter os níveis de substância em ordem.  Muitas vezes, o esforço não é suficiente e sobra açúcar no sangue o que origina a diabetes gestacional.

A doença coloca em risco a saúde do bebe, pois, o pâncreas do feto trabalha dobrado para manter os níveis em ordem. Muitas vezes esse esforço não é suficiente fazendo com que o açúcar vira gordura e a criança ganhe sobre peso. Após o parto o fornecimento do hormônio é interrompido, há risco de hipoglicemia, uma queda brusca na quantidade de glicose na circulação. O excesso de hormônio ainda atrapalha a absorção de cálcio, potássio e magnésio. O diabetes gestacional também aumenta o risco de parto prematuro e icterícia.

 

Fatores de risco

  • Gestação em idade mais avançada
  • Ganho de peso excessivo na gravidez
  • Pressão alta
  • Triglicérides alto
  • Colesterol alto
  • Sobrepeso ou obesidade
  • Síndrome dos ovários policísticos
  • Histórico familiar de diabetes
  • Gravidez de gêmeos
  •  Diabetes em gestações anteriores

 

Previna                                

Controle seu peso: ele é o responsável pelo distúrbio, adote uma dieta acompanhada pelo um nutricionista, faça exercícios físicos monitorados e aptos a suas condições. Uma junção perfeita para manter o nível de glicose controlado no sangue.

 

Diagnóstico

O pré-natal é sem dúvidas um grande combatente a doenças que estão ou podem vir a surgir, como por exemplo: taxas de colesterol, triglicérides e glicemia de jejum. Com acompanhamento em um obstetra será possível levantar o historio familiar e analisar minuciosamente a rotina e peso da mulher. Importante também manter os ultrassons em dia, pois são elas que vão poder diagnosticar se feto é maior que o esperado e alteração do volume do líquido amniótico.

Por volta da 24ª semana de gravidez, deve ser solicitado o exame curva glicêmica. Nele, a gestante bebe uma solução açucarada e são colhidas amostras de seu sangue a cada hora. A grávida já está oficialmente com o distúrbio se o nível for igual ou superior a 92 mg/dl.

 

Tratamento

Mediante a acompanhamento específico, com avaliação regular da curva glicêmica. E atenção redobrada na dieta. Maneirar na gordura é o essencial, tal como fracionar as refeições fazendo com que elas diminuam de quantidade, mas aumentem a frequência de alimentação durante o dia. Caso não haja contraindicação do obstetra, exercícios são impulsos para o controle da diabetes.

Caso o tratamento não venha a surtir tanto efeito e sua taxa de glicose ainda continue subindo o médico pode indicar injeções de insulina, para controlar a taxa de glicose e aliviar o pâncreas.

Porém a diabetes gestacional, aumenta o risco de mulheres desenvolverem o diabetes tipo 2 com o tempo. Se você apresentou altas taxas de glicemia na gestação, fique atenta!

Conhecido como cobreiro a herpes-zóter triplicou em uma década, afetando o público mais idoso. Afeta o nervo da face chamado nervo oftálmico. Ele é causado pelo vírus Varicella zostes, o mesmo da catapora. Tendo possibilidade de 50% de chances de ter a doença na faixa dos 80 anos por terem um sistema imunitário enfraquecido ou pessoas que já tiveram catapora.

Quais os primeiros sintomas?

  • Formigamento e manchas vermelhas na testa
  • Erupção com bolhas, podendo atingir testa e nariz
  • Dormência
  • Inchaço ao redor dos olhos
  • Problema de visão
  • Dor de cabeça
  • Perda de apetite
  • Sensação de mal-estar
  • Febre

Diagnóstico

Pode se identificar pelas erupções cutâneas. Porém pode se diagnosticar com exames de sangue.

Sendo diagnosticado seu tratamento deve ser tratado com urgência, pois pode causar problemas de visão permanentes, como a cegueira. Pessoas com sistema imunológico enfraquecido podem desenvolver complicações após a contração do vírus, são elas: Cicatrização no olho, glaucoma e perda de visão.

Sendo assim, quais são as formas de tratamento?

A forma mais recomendada é o medicamentos antivirais, sendo alguns casos por via intravenosa. É necessário uso de colírio que combatem esteroides, medicamentos anti-inflamatórios e evitar coçar a erupção cutânea.

Prevenção

A prevenção seria manter as vacinas em dia, principalmente contra a varicela, o que pode prevenir e reduzir a gravidade dos casos.

 

Foi realizado um levantamento da prevalência de casos de Giardíase em uma determinada creche no Brasil, identificando uma porcentagem maior que 50% de crianças acometidas pelo parasita Giárdia.
Os parasitas intestinais humanos apresentam-se como um problema sanitário, considerando um elevado aumento de pessoas acometidas, apesar das crianças entre 2 a 5 anos de idade ser o foco da doença, houve um aumento nos casos de adultos também, ocasionando alterações graves no metabolismo.

O que caracteriza essa doença e quais são os sintomas?

A Giardíase é caracterizada por uma infecção intestinal por um parasita microscópico, podendo ou não apresentar sintomas, em casos que não apresentam alterações o parasita permanece no intestino, ocasionando sintomas tardios, casos que são caracterizados por sintomas logo após a contaminação, são caracterizados por:

  • Má absorção de alimentos
  • Náuseas
  • Perda de peso
  • Cólicas abdominais seguidas de diarreias

Dependerá de cada indivíduo os sintomas persistentes, podendo variar de duas a quatro semanas.

Mas afinal, como posso adquiri-la?

A Giardíase pode ser adquirida pela ingestão de cistos maduros, pelas seguintes formas:

  • Alimentos não higienizados corretamente
  • Ingerir água contaminada
  • Contaminação de pessoa para pessoa através de mãos contaminadas
  • Frequentar locais contaminados sem o conhecimento, como: lagos, rios, riachos.

Pessoas vulneráveis à doença

  • Crianças são mais propiciais a entrarem em contato com fezes contaminadas, ainda mais se utilizam fraldas, além de frequentarem banheiros infantis que podem estar contaminados, colocando os próprios profissionais em risco.
  • Indivíduos que não possuem saneamento básico de vida adequado são afetados diariamente, tanto pela ingestão de água contaminada, quanto pela falta do conhecimento da doença, contaminando-se acidentalmente em lagos e rios por exemplo.

Diagnóstico

O médico irá investigar os sintomas apresentados, logo irá solicitar exames de fezes para a comprovação de sua suspeita, além de realizar exames físicos para identificar alguns inchaços no corpo do paciente identificando desidratação, além de relacionar atividades e lugares frequentados nas últimas semanas.

Tratamento

Nesse caso é de extrema importância seguir corretamente as orientações médicas para que a infecção não volte e não haja o perigo de contaminar outras pessoas, dependendo do caso o médico irá prescrever antibiótico ou mesmo um antiparasitário, sem interromper a medicação ou aumentar a dose.

Dicas para prevenção

Mantenha-se sempre atento aos sinais que seu corpo apresenta, em caso de sintomas citados acima procure um médico o mais rápido possível, dentre as dicas atente-se:

  • A lavagem das mãos é a forma mais simples e eficiente para evitar as infecções em gerais, além do uso aconselhado do álcool em gel, antes e após atividades do dia a dia.
  • Certifique-se que a água ingerida no seu cotidiano passou pelo tratamento adequado para seu consumo.
  • Evite locais com antecedências de contaminação de água pelo parasita
  • Estar atento às atividades praticadas pela criança é de extrema importância para evitar esta infecção.

 

Especialistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) afirmam que cerca de 80% da população brasileira irão sofrer de alguma forma com dores na coluna, sejam elas diariamente ou conforme alguns hábitos praticados despercebidos, dessa forma são de extrema importância agendar uma avaliação com o médico mais indicado para esse tipo de problema, para que você conheça a causa e o quanto está afetando internamente e externamente em sua vida.

 

Confira os hábitos mais prejudiciais à sua coluna:

 

1. Permanecer por muitas horas na mesma posição:

Geralmente passamos horas na mesma posição durante o dia, seja em pé ou sentado trabalhando, ocasionando uma circulação distribuída de forma  debilitada a todo o corpo.


Dica:

Estar atento é essencial para que realize uma pausa ao menos a cada 1 hora, podendo ser um rápido alongamento para aliviar a tensão entre os  músculos, implicando em uma melhoria na postura.

 

2. Utilizar bolsas pesadas:

Normalmente as pessoas utilizam bolsas ou mochilas consideravelmente pesadas, o problema esta na forma em que utilizará, colocando todo o peso em apenas um ombro, sobrecarregando apenas um lado de seu corpo, provocando alterações significantes na coluna e em sua qualidade de vida.

 

Dica:

Certifique a necessidade de todo o peso carregado para que o exagero não te prejudique, logo após verifique e sempre opte por uma mochila que distribua de forma igualitária o peso em seu ombro, caso seja uma bolsa, revezar o peso entre os dois ombros é a sua única opção.

 

3. Posição incorreta durante o sono:

Dormir de forma incorreta durante toda a noite pode acarretar logo pela manhã em desconfortos repentinos, além do cansaço, com isso confira a dica a seguir:

 

Dica:

O primeiro ponto importante é verificar se o colchão está ideal, devendo manter a curvatura natural de sua coluna. Logo após, avalie sua postura, segundo os médicos a posição aconselhada é deitar-se de lado ou de barriga para baixo, mantendo sempre que possível, a cabeça, a coluna e o pescoço de forma alinhada.

 

4. Levantar peso:

Durante certas situações do dia a dia é inevitável não carregar peso, com isso é comum nos esquecermos de que há algumas regras básicas para evitar uma possível dor ao longo do dia.

 

Dica:

Deve-se: Dobrar os joelhos e abaixar-se com a coluna reta, pois o que irá ocasionar um desconforto será ao dobrar a coluna, além de provocar dor, trará problemas no futuro.

 

Dicas para uma boa postura:

  • É importante adquirir o hábito da prática de exercícios regularmente.
  • Reconhecer a necessidade de algumas mudanças ao longo do dia.
  • Atentar-se aos frequentes desconfortos.


Caso todas essas dicas já não sejam o suficiente para uma melhoria das dores apresentadas, é importante direcionar-se ao Fisioterapeuta ou mesmo a um Ortopedista, que são profissionais especializados nesses tipos de ocorrências e irão auxiliar e justamente iniciar um tratamento que trará uma qualidade novamente.

 

 

 

O que é a Sífilis?

A Sífilis é ocasionada por uma Infecção Bacteriana, sendo considerada uma DST (Doença Sexualmente Transmissível), o aumento tem preocupado especialistas, que alertam um crescimento significante na ocorrência dessa doença.

No ano de 2010 foram registrados 1249 casos de sífilis adquirida. Em 2015, esse número subiu para 65.878, um aumento de mais de 5.000%, e chegou em 87.593 casos em 2016, segundo o Ministério da Saúde.

Nos casos de sífilis congênita (transmitida da mãe para o bebê durante a gestação ou parto), o número de casos passou de 3.356 em 2016 para 4.139 casos em 2017, um aumento de 23,33%.

 

Há várias manifestações clínicas e diferentes estágio, dentre:

Estágio Primário

  • Geralmente ocasionada por feridas, sem apresentar coceira ou algum tipo de dor, porém pode estar acompanhada de ínguas na virilha, manifestando-se após 10 a 90 dias do contágio.

Estágio Secundário

  • Ocorre a cicatrização da ferida inicial, podendo aparecer manchas pelo corpo todo, sendo muitas vezes confundidas com alergias comuns, que desaparecerão sem tratamento algum. Consequentemente das manifestações, o indivíduo apresentará febre, mal-estar e dores de cabeça.

Estágio de Latência

  • Considerada uma fase assintomática, ou seja, sem sinais ou sintomas, tendo como uma única maneira de constatar a Sífilis: realizando testes Imunológicos.

Estágio Terciário

  • Fase caracterizada por lesões cutâneas, cardiovasculares, neurológicas ou ósseas, podendo ter início prolongado por anos.

 

Como é transmitida?

A Sífilis é transmitida por meio de relação sexual desprotegida com o indivíduo contaminado, ou mesmo, durante a gestação ou parto, acometendo o bebê.

 

Quais são os sintomas?

Caracterizados por dores nos músculos, acompanhados de fadigas e dores de cabeça, além dos sintomas característicos de cada fase citado acima, ou seja, logo em diante não há mais sintomas, podendo assim ocorrer anos mais tarde, acarretada de danos em nossos órgãos.

 

Como é feito o diagnóstico?

O médico irá suspeitar conforme o relato do paciente, dessa maneira solicitará exames específicos, como exemplo os Testes Rápidos para a Sífilis desenvolvidos para a confirmação ou não da doença, assemelham-se bastante com os testes de gravidez e estimam 30 minutos para o resultado preciso.

O diagnóstico pode ser realizado com a identificação da ferida inicial seguido de irritações na pele.

 

Tratamento

A sífilis é tratada com antibiótico, sendo sempre necessário consultar um médico para que aconselhe o tratamento que possua resultados rápidos e eficientes, além de individualizados.

 

Principal prevenção

Manter as relações sexuais sempre protegidas através do uso da camisinha, que irá possibilitar a prevenção de todas as DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis).