17% dos brasileiros, em algum momento, pensaram em suicídio. 32 é o número de pessoas que se suicidam por dia no país. É preciso falar sobre suicídio para que ações preventivas aconteçam.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 9 em cada 10 casos de suicídios poderiam ser prevenidos. Por isso a importância da conscientização de que as pessoas devem buscar ajuda.

Segundo a Psicóloga Simone Padilha, há diversas questões envolvendo as causas do suicídio, e aqueles que acabam por vezes tentando são discriminados e julgados pela sociedade em geral.

Os pacientes atendidos por ela são de diversas faixas etárias, desde crianças até adultos. A maior demanda normalmente são homens, devido ao quadro de ansiedade em poder cumprir com suas obrigações impostas pela sociedade. Seguido pelos adolescentes que sofrem pelo imediatismo e conflito com familiares. Já as mulheres a procuram devido à cobrança de dar conta da carreira, filhos, esposos e dos afazeres domésticos.

Segundo ela, guardar todos esses conflitos, gera raiva, frustração, vergonha, culpa, depressão e ansiedade, levando ao sofrimento interno.

Pacientes que tiveram pensamentos suicidas e conseguiram se recuperar e aprender a viver novamente relatavam que não se sentiam mais vivos, e os pensamentos vem por fatores do adoecimento da saúde mental, onde não estimula mais hormônios saudáveis, por isso a necessidade de acompanhamento com Psicólogo, para aprender administrar todos os pensamentos e dificuldades de compressão da vida.

 

Como identificar

Devem-se observar mudanças de bruscas no comportamento, por exemplo:

Por exemplo:

  • Isolamento, evita se relacionar com as pessoas;
  • Apresenta quadro de violência ou uso de drogas;
  • Pesquisas relacionadas ao suicídio;
  • Comenta sobre tirar a própria vida;
  • Algo que insinue despedida, como carta ou mensagem.

Pode também estar vinculado com alguns transtornos envolvendo a saúde mental como depressão, esquizofrenia e dependência química.

 

É possível evitar?

Sim, é possível. Pode ser através de ajuda preventiva ou socorro diante de uma crise. Essa ajuda pode vir de pessoas próximas, de organizações voluntárias como o CVV (Centro de Valorização a Vida), que se dedicam à prevenção do suicídio ou através de profissionais.

Todos meus pacientes conseguiram com acompanhamento psicológico e psiquiátrico melhorar sua saúde mental e viver de forma saudável e aprenderam que a vida pode dar muito errado, mas ter a resiliência para recomeçar quantas vezes for necessário, e não desistir da vida”.

“Vencer o estigma, promover atitudes positivas da comunidade em relação aos portadores de transtornos mentais e estimular a procura pelo tratamento são atitudes e questões urgentes da saúde pública, procure um Psicólogo e Médico Psiquiatra se estiver com os pensamentos de tirar a vida”.

 

O CVV atende voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, por telefone, e-mail e chat 24 horas todos os dias. Ligue 188

A tireoide é uma glândula responsável pela produção de hormônios como T3 (tri-iodotironina) e o T4 (tireoxina). Eles estimulam o metabolismo, ela interfere também no desempenho de órgãos vitais, como o coração, no funcionamento do intestino e no ciclo menstrual.

Quando a tireoide não funciona corretamente pode ocorrer dois tipos de distúrbios, o hipotireoidismo (produção baixa ou nula de hormônios) e o hipertireoidismo (produção excessiva de hormônios).

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, cerca de 10% das mulheres acima de 40 anos e em torno de 20% das que têm acima de 60 anos manifestam algum problema na tireoide. Porém é importante estar atento, pois todas as pessoas, independente de sexo e idade, estão sujeitas a alterações desta glândula.

 

Conheça os principais sintomas:

Hipertireoidismo:

  • Dificuldade de dormir;
  • Aceleração dos batimentos cardíacos;
  • Intestino solto;
  • Agitação;
  • Muita energia, apesar de muito cansaço;
  • Queda de cabelos;
  • Calor e suor exagerado;
  • Menstruação irregular;
  • Nervosismo e irritação;
  • Perda de peso resultante da queima de músculos e proteínas;
  • Tremores.

 

Hipotireoidismo:

  • Depressão
  • Diminuição da frequência cardíaca;
  • Intestino preso;
  • Menstruação irregular;
  • Diminuição da memória;
  • Cansaço excessivo;
  • Dores musculares;
  • Sonolência excessiva;
  • Pele seca;
  • Queda de cabelo;
  • Ganho de peso;
  • Aumento do colesterol no sangue;
  • Alterações na potência e libido dos homens.

 

Diagnóstico

O diagnóstico pode ser feito pela dosagem do hormônio TSH e dos hormônios T3 e T4 produzidos pela tireoide. Os exames devem fazer parte do calendário anual de exames das mulheres a partir dos 35 anos.

Leia também: 7 exames preventivos que as mulheres devem realizar anualmente.

Índices elevados de TSH e baixos dos hormônios da tireoide caracterizam o hipotireoidismo. TSH baixo e alta dosagem de hormônios da tireoide caracterizam o hipertireoidismo.

 

Tratamento

No hipotireoidismo, normalmente começa com a reposição do hormônio tiroxina que a tireoide deixou de fabricar. Como raramente a doença regride, ele deve ser tomado por toda a vida.

No hipertireoidismo, o tratamento pode incluir medicamentos, e cirurgia dependendo das características e causas da doença. Deve iniciar assim que possível evitando a ocorrência possíveis arritmias cardíacas, hipertensão, fibrilação, infarto e osteoporose.

 

Recomendações

  • Procure adotar uma dieta alimentar equilibrada;
  • Fazer atividade física é indicado nos casos de hipotireoidismo, mas contraindicada para pacientes com hipertireoidismo;
  • Não é aconselhável fumar em nenhum dos casos;
  • A ingestão regular do iodo contido no sal de cozinha evita a formação de bócio (não em excesso).

Algumas mulheres não tem o hábito de ir ao ginecologista com frequência, procurando ajuda somente quando notam algum sintoma ou sentem mal-estar, como corrimentosuspeita de gravidez ou sentem dores durante a relação sexual.

A orientação é procurar um ginecologista anualmente e, inclusive realizar check-ups com intuito de prevenir possíveis doenças, quanto antes diagnosticado, maiores são as chances de sucesso nos tratamentos.

Segundo pesquisa, mais da metade das mulheres, 52% não realizam exames ginecológico preventivo, o famoso Papanicolau, exame esse que pode detectar doenças como o câncer de colo de útero que é o terceiro tumor que mais afeta a população feminina no Brasil.

Pensando nisso trouxemos uma lista de exames preventivos que devem fazer parte do check-up anual da mulher.

 

1. Preventivo: 

Citologia oncótica cervical, popularmente conhecida como Papanicolau. A coleta do exame é feita através de uma espátula especial é usada para coletar material do colo uterino, analisado depois em laboratório. Esse exame deve ser feito anualmente, um ano após o início da atividade sexual.

Detecta alterações no colo do útero e doenças como o câncer do colo do útero e infecções por fungos, herpes e verrugas no órgão genital feminino.

 

2. Colposcopia, Vulvoscopia:

São exames solicitados que complementam o Papanicolau caso tenha alteração.

A colposcopia é um exame que avalia de maneira detalhada a vagina e colo do útero. É utilizado um colposcópio, uma espécie de binóculo que ilumina e amplia a visão da região.

Em caso de mulheres virgens, é feito o exame vulvoscopia, pois será realizado com um tipo de microscópio que permite a ampliação da região genital.

É possível verificar se há ou não uma lesão na região, e se é de natureza benigna (ou inflamatória), pré-maligna ou maligna. Pode detectar problemas como verrugas genitais no colo do útero que pode ser causada pelo vírus HPV (Vírus do Papiloma Humano), cervicite, pólipos benignos (crescimentos irregulares de tecidos) e sangramento.

 

3. Ultrassom transvaginal: 

O exame é realizado por uma sonda especial, que é envolta com preservativo para proteger e evitar contaminações.

É indicado para detectar doenças na região pélvica como: endometriose, miomas, cisto nos ovários, tumores de ovários etc.

 

4. Mamografia:

O exame entra normalmente no calendário anual em mulher a partir dos 40 anos. É um exame não invasivo realizado através do mamógrafo, um aparelho semelhante ao raio-X convencional só que projetado para a anatomia da mama.

Geralmente se tem alteração o médico pede ultrassom ou biópsia para confirmar eventuais suspeitas.

 

5. Exame de sangue

O exame de sangue básico deve ser repetido anualmente para analisar a saúde da mulher em geral. É coletado em laboratório, em alguns casos é necessário jejum.

Os principais exames são: glicemia (mede a taxa de açúcar no sangue e detecta a diabetes); colesterol total e frações (medem o nível de gordura no sangue); uréia e creatina (avalia a função renal); TGO e TGP (avaliam a função hepática) e hemograma (avalia os glóbulos brancos e vermelhos do sangue e plaquetas).

 

6. Exame de urina

O exame de urina é de fácil coleta onde análise é feita através de um laboratório. Pode detectar problemas nos rins e nas vias urinárias, além de indicar a presença de glicose ou até mesmo sangue na urina. Ele analisa fatores, como pH, densidade, aspecto e presença de elementos anormais. Diversas doenças e problemas de saúde causam alterações que podem ser detectadas pela urina.

 

7. Densitometria Óssea:

É um procedimento que mede a redução da massa óssea da região próxima ao fêmur, podendo detectar a osteoporose e a osteopenia. É um exame rápido que dura cerca de 5 minutos e indolor. Normalmente entra na lista de exames anuais para mulheres a partir dos 60 anos.

 

Previna-se, consulte seu médico anualmente, quanto mais cedo for feito qualquer diagnostico, maior é a chance de cura.

A lactose é um açúcar encontrado na maioria dos leites e seus derivados, a intolerância à lactose é à incapacidade parcial ou completa de digerir esse açúcar. Isso ocorre quando o organismo não produz, ou produz em pouca quantidade, uma enzima digestiva chamada lactase, que é responsável por quebrar e decompor a lactose.

Esse problema é mais comum do que podemos imaginar, de acordo com pesquisa realizada pelo Datafolha, 35% da população com idade acima de 16 anos, ou seja, cerca de 53 milhões de pessoas, tem algum tipo de desconforto digestivo após a ingestão de alimentos de base láctea. Estima-se que entre 60% a 70% da população mundial apresenta algum nível de dificuldade de digestão dessa enzima.

 

Intolerância x Alergia

Existe diferença entre alergia ao leite e intolerância à lactose. A alergia é uma reação imunológica que está relacionada à proteína do leite de vaca. Normalmente quem é alérgico só descobre após os 6 meses de idade, quando começa a consumir outros leites além do materno.

Segundo especialistas, as crianças que substituem o leite de vaca pelo de soja podem apresentar baixa densidade óssea, pois à absorção do cálcio do leite de soja é menor se comparada ao do leite de vaca. Por isso a importância do acompanhamento médico para o paciente ter uma suplementação correta.

 Os sintomas da alergia normalmente se assemelham a outras reações alérgicas, como coceira, vermelhidão na pele e/ou sibilos (chiados no peido). Às vezes, pode ter sintomas no trato digestivo, como dor abdominal, vômito, e raramente, diarreia.

Já a intolerância à lactose é um distúrbio digestivo associado à baixa ou nenhuma produção de lactase. Os sintomas podem variar de acordo com a maior ou menor quantidade de leite e derivados que são consumidos.

 

3 tipos de intolerância à lactose

Intolerância congênita – Muito rara, ocorre por um problema genético, a criança nasce sem condições de produzir lactase, impedindo o aleitamento materno exclusivo e manifesta-se logo após o nascimento.

Intolerância secundária – a produção de lactase é afetada por doenças  intestinais, como diarreias, síndrome do intestino irritável, doença de Crohn, doença celíaca, ou alergia à proteína do leite, por exemplo. Nesses casos, ocorre deficiência temporária de lactase e pode desaparecer com o controle da doença de base. Também pode ocorrer em bebês prematuros, ainda incapazes de produzir lactase em quantidade suficiente.

Intolerância primária – diminuição natural e progressiva na produção de lactase a partir da adolescência e até o fim da vida (forma mais comum);

 

Sintomas

Os sintomas se concentram no sistema digestório e normalmente melhoram com a interrupção do consumo de produtos lácteos. Os sintomas costumam aparecer minutos ou horas depois da ingestão de leite ou de seus derivados de alimentos que contêm leite em sua composição. Os mais característicos são distensão abdominal, cólicas, diarreia, flatulência (excesso de gases) e náuseas. Crianças pequenas e bebês costumam apresentar perda peso e problemas no crescimento.

 

Diagnóstico

O diagnóstico é feito por um médico e pode contar com três exames específicos: teste de intolerância à lactose, onde o paciente recebe uma dose de lactose em jejum e, depois de algumas horas, colhe amostras de sangue para medir os níveis de glicose, que permanecem inalterados nos portadores do distúrbio. Esse exame é oferecido gratuitamente pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

No teste de hidrogênio na respiração, o paciente consome uma quantidade pequena e calculada de lactose e posteriormente medem a quantidade de gás hidrogênio na respiração antes e depois do consumo da lactose em intervalos de uma hora. O hidrogênio é medido porque as bactérias intestinais produzem hidrogênio ao digerir a lactose não absorvida.

 

Tratamento

A intolerância à lactose pode ser controlada com dieta, evitando o consumo de alimentos que contenham lactose. Inicialmente é proposto suspender a ingestão de leite e derivados para alívio dos sintomas. Depois, esses alimentos devem ser reintroduzidos aos poucos, com iogurte, por exemplo, pois contém lactase naturalmente, produzida por lactobacilos ou queijo que contém quantidades menores de lactose que o leite, até identificar a quantidade máxima que o organismo suporta sem manifestar sintomas. Essa conduta terapêutica tem como objetivo manter a oferta de cálcio na alimentação. Suplementos com lactase e leites com baixo teor de lactose também são indicados, quando a quantidade de leite ingerido for insuficiente.

 

Recomendações

  • O leite não deve ser totalmente abolido da dieta;
  • É importante ler os rótulos dos alimentos para saber qual é a sua composição;
  • Leite de soja, de arroz, de aveia não contém lactose;
  • Existem outras fontes de cálcio como verduras de folhas verdes, brócolis, couves, agrião, couve-flor, espinafre, assim como feijão, ervilhas, tofu, salmão, sardinha, mariscos, amêndoas, nozes, gergelim e ovos;
  • Comer moderadamente de tudo um pouco é a melhor forma de ingerir os nutrientes necessários para a saúde e bem-estar.

O coração é um órgão muito importante para o funcionamento do corpo e quando seus batimentos funcionam de maneira irregular (ou muito rápido ou muito devagar), todo o organismo pode sofrer. Esta condição ocorre quando os impulsos elétricos do coração não funcionam da maneira correta, provocando diferentes formas de batimentos.

No Brasil, mais de 20 milhões de pessoas têm um dos tipos desta doença, que é responsável por mais de 320 mil mortes súbitas todos os anos no país, segundo dados da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac).

 

Existem dois tipos de arritmias:

Taquicardia (acelerados)

A taquicardia é caracterizada por um ritmo cardíaco rápido, normalmente com mais de 100 batimentos por minuto.  Com essa frequência, o coração não é capaz de bombear de forma eficiente o sangue rico em oxigênio para o corpo.

 

Tratamento

Existem dois tipos de tratamento, o primeiro são os medicamentos utilizados basicamente para isolar os circuitos e evitar que taquicardias se aconteçam, amenizando as crises.

O tratamento definitivo das taquiarritmias é cirúrgico chamado de ablação por cateter. A intervenção cirúrgica é minimamente invasiva e feita através de cateteres.

 

Bradicardia (lentos)

A bradicardia é caracterizada por um ritmo cardíaco mais lento, geralmente menos de 60 batimentos por minuto. Nessa velocidade, o coração não é capaz de bombear sangue suficiente para todo o corpo durante atividades normais ou nos exercícios físicos. A frequência cardíaca para ser considerada normal deve estar entre 60 e 100 batimentos por minuto.

 

Tratamento

Em caso de bradicardia quando é estabelecido que essa condição seja transitória e reversível, não precisa de tratamento definitivo. Agora quando não existe possibilidade de recuperação, a única forma é colocar um marca-passo, ou seja, um microcomputador faz o trabalho de formar os impulsos elétricos e estimular as câmaras cardíacas.

 

Quais são os sintomas da arritmia?

Normalmente não geram sintomas, porém em casos mais graves podem provocam as seguintes sensações:

  • Falta de ar;
  • Dor no peito;
  • Palpitações;
  • Desmaios.

 

Causas da arritmia cardíaca

As causas podem estar relacionadas com problemas cardíacos e também outras condições como:

  • Ansiedade;
  • Estresse;
  • Uso de medicamentos para emagrecimento;
  • Doença de válvulas cardíacas;
  • Febre;
  • Anemia;
  • Ventilação excessiva;
  • Baixos níveis de oxigênio no sangue;
  • Tireoide excessivamente ativa.

Dentre os problemas cardíacos que podem causar arritmia, estão:

  • Artérias bloqueadas no coração (doença arterial coronariana);
  • Insuficiência cardíaca;
  • Infarto;
  • Alterações na estrutura do coração, como a cardiomiopatia;
  • Cicatrização do tecido cardíaco após um infarto;

Se notar algum desses sintomas ou qualquer alteração do ritmo cardíaco, busque ajuda de um profissional em cardiologia.

(Leia também sobre doenças cardiovasculares)

 

Como prevenir a arritmia cardíaca?

  • Consumir álcool com moderação;
  • Evitar dietas sem acompanhamento médico ou de nutricionista;
  • Praticar exercícios regularmente;
  • Evitar alimentos gordurosos;
  • Não fumar.

Conheça também alguns alimentos que podem ajudar no combate de doenças cardíacas.

ANTERIOR
2 de 10
PRÓXIMO